0

BC do Japão está pronto para aliviar política monetária se necessário, diz diretora

25 set 2019
09h19
  • separator
  • 0
  • comentários

Uma integrante da diretoria do Banco do Japão (BOJ) disse nesta quarta-feira que o banco central afrouxaria ainda mais a política monetária sem hesitação se perder o impulso para cumprir sua meta de inflação de 2%, acrescentando que ela está preocupada com os riscos crescentes vindos de economias estrangeiras.

Takako Masai, diretora do BOJ, em coletiva de imprensa em Tóquio, Japão
30/06/2016
REUTERS/Toru Hanai
Takako Masai, diretora do BOJ, em coletiva de imprensa em Tóquio, Japão 30/06/2016 REUTERS/Toru Hanai
Foto: Reuters

"Minha preocupação recente é que, em meio a riscos significativos de queda nas economias estrangeiras, efeitos negativos seriam exercidos sobre os preços", disse Takako Masai em discurso a líderes empresariais em Tsu, na Prefeitura de Mie, centro do Japão, publicado no site do BOJ.

"Pretendo continuar conduzindo a política monetária de maneira adequada para atingir a meta de estabilidade de preços, considerando todos os efeitos adversos e positivos possíveis de todos os ângulos."

Masai também disse que o BOJ conduz a política monetária como um pacote e que não é apropriado se concentrar em uma única medida, em referência às expectativas do mercado quanto a cortes adicionais nas taxas de juros para território ainda mais negativo, caso alivie novamente a política monetária.

"(O BOJ) está conduzindo a política (monetária) como um pacote, então não é apropriado destacar uma medida específica e discutir seus prós e contras", disse ela a repórteres após fazer o discurso.

    O BOJ manteve a política monetária estável em sua reunião de julho, mas prometeu relaxar mais a política monetária, sem hesitar, como forma de prevenção de riscos que poderiam prejudicar a chance de cumprimento de sua meta de 2% de inflação.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade