0

Argentina vê 'profunda reestruturação da dívida' à frente e rejeita austeridade fiscal

13 fev 2020
08h19
atualizado em 14/2/2020 às 01h46
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Argentina está disposta a pagar suas dívidas mas não tem dinheiro para fazê-lo, disse o ministro da Economia do país, Martín Guzmán, na quarta-feira, alertando para uma "profunda reestruturação da dívida" à frente.

Jornalista tira foto de imagem na TV do ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán. REUTERS/Agustin Marcarian
Jornalista tira foto de imagem na TV do ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán. REUTERS/Agustin Marcarian
Foto: Reuters

Em discurso ao Congresso, Guzmán culpou as políticas de austeridade prescritas pelo Fundo Monetário Internacional pela crise de crédito.

Porém, num momento em que autoridades do FMI chegam a Buenos Aires para uma semana de negociações sobre a renovação de empréstimos e títulos, Guzmán disse que há "um entendimento mútuo crescente" sobre como lidar com o problema.

A Argentina diz que precisa reestruturar 100 bilhões de dólares em dívidas, incluindo 44 bilhões devidos ao fundo, seu maior credor único. O governo, que assumiu em dezembro, prometeu não continuar pagando o que chama de carga insustentável de dívida que herdou da administração anterior.

"Terá que haver uma profunda reestruturação da dívida e está claro que haverá frustração por parte dos detentores de títulos", disse Guzmán aos parlamentares argentinos. Ele prometeu rejeitar o tipo de políticas de austeridade fiscal que o FMI normalmente recomenda a países sem dinheiro em busca de empréstimos.

"Não há nada pior para um país em recessão do que a austeridade", disse Guzmán, acrescentando que o governo não tentará reduzir seu déficit fiscal primário neste ano. Um déficit mais baixo foi uma parte essencial do contrato de empréstimo do FMI com a Argentina em 2018.

Os detentores de títulos estão apreensivos com a reestruturação.

"A demanda por ativos locais permanece baixa em meio às discussões em andamento sobre a reestruturação da dívida", disse uma nota do JP Morgan na terça-feira, depois que o governo adiou o pagamento de principal de 1,47 bilhão de dólares de seu título AF20 até 30 de setembro. O pagamento estava agendado para esta quinta-feira.

As reuniões do FMI em Buenos Aires durarão até 19 de fevereiro. O governo espera não apenas fechar um acordo para adiar os pagamentos de empréstimos devidos ao fundo, mas também obter a aprovação do credor para seu plano de reestruturação de títulos.

Veja também:

Senadora Simone Tebet (MDB-MS) defende representatividade mínima de 30% de mulheres na direção dos partidos
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade