0

Após aquisição nos EUA, MRV pode acelerar internacionalização

6 set 2019
07h19
  • separator
  • 0
  • comentários

A compra da construtora AHS Residential, nos Estados Unidos, pode ser o primeiro passo para uma atuação global da MRV Engenharia. "Pretendemos ser uma plataforma mundial de construção", afirmou o controlador do grupo, Rubens Menin, em entrevista ao Estadão/Broadcast.

A MRV vai investir US$ 236 milhões (cerca de R$ 1 bilhão) para ficar com 51% na AHS, empresa fundada e controlada por Menin. A medida causou desconfiança de acionistas, que viram possível conflito de interesses. A ação fechou em queda de mais de 6% no pregão de quarta-feira, mas se recuperou nesta quinta-feira, 5, com alta de 0,79%.

Na quinta, Menin convocou reunião com analistas e investidores para explicar que a operação foi endossada por um comitê independente com quatro membros e pelo conselho de administração. Falta agora a aprovação dos acionistas na assembleia marcada para 4 de outubro. Questionado se vai votar na assembleia, não quis comentar. Menin detém 32,6% da MRV. É, portanto, decisivo em qualquer deliberação.

O executivo também ressaltou que todos os recursos investidos na AHS vão para projetos. "Não estou botando nenhum dinheiro no bolso. Tudo está entrando na empresa", disse.

Os atuais acionistas da AHS - Rubens Menin (95%) e o fundo Silverpeak (5%) - não venderão ações, sendo diluídas para 46,3% e 2,7%, respectivamente.

Os resultados da AHS aparecerão no balanço da MRV já no quarto trimestre. O investimento virá de recursos próprios da MRV, que tinha R$ 2,5 bilhões em caixa no fim de junho.

Aposta. Com a AHS, fundada em 2012, Menin acredita que pode ser competitivo em um segmento onde diz haver pouca concorrência: a construção de moradias para pessoas de classe média baixa nos EUA. Esse segmento, disse ele, é hoje atendido apenas por empresas regionais, sem escala.

Ao contrário da MRV, a AHS aluga os apartamentos, em vez de vendê-los. A companhia atua em todo o ciclo: compra de terrenos, desenvolvimento de projetos, construção, locação, administração dos prédios e venda a fundos de investimento.

O plano para a AHS é ampliar o portfólio de apartamentos sob gestão de 700 unidades, em 2019, para 5 mil, em 2023, quando se concretiza o novo ciclo de investimentos. Além de Miami, a previsão é ir para Atlanta, Dallas, Houston e Denver.

A ocupação dos imóveis, segundo a AHS, é hoje de 97% dos imóveis e a inadimplência está abaixo de 1%. A receita da companhia com locações é de US$ 20 milhões. A previsão é de fechar o ano com lucro líquido de US$ 6 milhões - resultado auxiliado pela venda de um prédio a um fundo de investimento.

Apesar do otimismo do empresário, analistas ainda entendem que a empreitada embute riscos. "Se o mercado lá é tão lucrativo, por que ninguém fez isso até agora?", questionou um profissional. Outro analista teme que a MRV possa perder o foco das operações nacionais. "O mercado aqui está cheio. Se de alguma forma perderem o foco vão ser ultrapassados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade