PUBLICIDADE

Acordo tributário da Petrobras deve aliviar contas do governo em R$12 bi em 2024

19 jun 2024 - 13h30
Compartilhar
Exibir comentários

O acordo selado entre governo e Petrobras nesta semana para a quitação de dívidas tributárias pela companhia deve permitir, sozinho, que o governo praticamente bata a meta de receita prevista para 2024 com transações desse tipo, com um impacto de aproximadamente 12 bilhões de reais sobre o resultado fiscal do ano.

A conclusão da negociação, celebrada por autoridades do Ministério da Fazenda em meio à busca pelo déficit fiscal zero, envolverá um desembolso total de 19,8 bilhões de reais, já considerando um desconto de 65% sobre o valor da dívida. No entanto, nem todo o montante impactará positivamente o resultado primário deste ano.

Ao anunciar o acordo na segunda-feira, a Petrobras afirmou que do total a ser pago à União, 6,65 bilhões serão quitados com depósitos judiciais e 1,3 bilhão com créditos fiscais gerados por prejuízos em subsidiárias. Outros 11,85 bilhões de reais serão pagos até o final do ano.

Uma fonte da pasta a par das negociações explicou que os depósitos judiciais, que ficam retidos na conta do Tesouro até eventual decisão da Justiça, já impactaram o resultado primário no momento do pagamento. Isso significa que a liberação desses recursos não ajudará o governo no cumprimento da meta fiscal de 2024. O uso de créditos tributários também não gera incremento fiscal direto.

Desse modo, segundo a fonte, o impacto da transação sobre o resultado primário deste ano diz respeito ao pagamento dos 11,85 bilhões de reais restantes.

O valor é muito próximo à receita prevista no Orçamento deste ano com a recuperação de tributos por meio de transações relacionadas a temas em disputa na Justiça, de 12,17 bilhões de reais, segundo informou à Reuters o Ministério da Fazenda. Essa previsão foi mantida no mais recente relatório bimestral de avaliação de receitas e despesas do governo, disse a pasta.

De acordo com a fonte do ministério, o acordo feito pela Petrobras é o maior previsto para o ano pela pasta, mas há possibilidade de outras adesões.

A transação feita pela petroleira com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) encerra uma disputa judicial envolvendo dívidas tributárias relacionadas a contratos de afretamento de embarcações.

O caso envolve discussões sobre débitos relacionados à "incidência de IRRF, da Cide, PIS e Cofins sobre remessas ao exterior, decorrentes da bipartição do negócio jurídico pactuado em um contrato de afretamento de embarcações ou plataformas e outro de prestação de serviços", afirmou a Petrobras em comunicado ao mercado na segunda-feira.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade