1 evento ao vivo

Ações da China sobem a máxima em 4 meses com cortes de juros e esperanças de recuperação

1 jul 2020
07h48
atualizado às 09h12
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O índice de referência da China fechou em seu nível mais alto em quase quatro meses nesta quarta-feira, com as medidas do banco central do país sobre cortes de juros e dados melhores sobre a indústria do país em junho continuando a alimentar esperanças de uma recuperação econômica mais rápida.

Investidor caminha pela Bolsa de Xangai
28/02/2020
REUTERS/Aly Song
Investidor caminha pela Bolsa de Xangai 28/02/2020 REUTERS/Aly Song
Foto: Reuters

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 2,01%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 1,38%.

O subíndice do setor financeiro avançou 2,66%, o de consumo teve alta de 3,36% e o setor imobiliário subiu 7,04%, enquanto o subíndice de saúde recuou 1,18%.

O banco central da China anunciou na terça-feira que reduzirá as taxas de redesconto e reempréstimo em 25 pontos-base a partir de 1º de julho, numa tentativa de reduzir os custos de financiamento para empresas menores e setores rurais.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,75%, a 22.121 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG permaneceu fechado.

. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 1,38%, a 3.025 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 2,01%, a 4.247 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,08%, a 2.106 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,71%, a 11.703 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,78%, a 2.610 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,62%, a 5.934 pontos.

Veja também:

BC corta Selic para 3% ao ano
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade