0

'Acho que a Petrobrás é inocente', diz economista que teve palestra na estatal cancelada

Deirdre McCloskey havia afirmado ao 'Estado' que governo Bolsonaro é 'qualquer coisa menos liberal'; três dias depois, funcionários da petroleira foram informados de que evento com americana estava cancelado

28 jan 2020
14h40
  • separator
  • 0
  • comentários

Após dizer, em entrevista ao Estado, que o governo Bolsonaro é "qualquer coisa menos liberal" e ter sua palestra na Petrobrás cancelada, a economista americana Deirdre McCloskey afirmou considerar a petroleira "inocente de qualquer intenção maligna".

Deirdre acrescentou que "acha" que o cancelamento se deu antes da publicação da entrevista no site do Estado, na última sexta-feira, 24. Ela, porém, só ficou sabendo que não daria a palestra na manhã de segunda, 27, quando chegou ao Brasil. "Não tenho como saber quando a Petrobrás desistiu. Se a Petrobrás realmente o fez (cancelou o evento por causa da entrevista), estou disposta a escrever uma carta expressando meu ultraje."

Na entrevista publicada na semana passada, a economista - que foi professora na Universidade de Chicago, polo do pensamento liberal nos Estados Unidos - havia dito que o liberalismo supõe ausência de hierarquias, como homens sobre mulheres, heterossexuais sobre gays e Estado sobre indivíduo. "Os governos de Trump e Bolsonaro são qualquer coisa menos liberais", disse ela.

Deirdre daria uma palestra na Petrobrás na segunda-feira, 27. Os funcionários da estatal foram avisados pela manhã de que o evento havia sido cancelado. Segundo a assessoria de imprensa da petroleira, a palestra foi inviabilizada por problemas na agenda da diretoria.

Por e-mail ao Estado, Deidre afirmou, nesta terça-feira, 28, que ficou incomodada com o fato de sugerirem que o cancelamento havia ocorrido por causa da entrevista. "A sugestão de que eles (a Petrobrás) estavam reagindo à sua matéria me incomodou e escrevi para o jornalista que a sugeriu. Fiquei irritada. Mas, um dia depois, acho que deveria ter esperado para reagir com mais clareza", escreveu.

Ontem, a economista afirmou à 'Folha' que não havia tido coragem de perguntar à Petrobrás os motivos que levaram ao cancelamento e que esperava que isso tivesse ocorrido por um motivo mais digno.

Ainda ao Estado, por e-mail, Deirdre acrescentou não achar que tudo que Bolsonaro faz seja "ruim". "O ministro da Economia (Paulo Guedes) sabe o que está fazendo, apesar de continuar escorregando em propostas desesperadas por mais impostos."

Guedes, assim como o presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, estudaram em Chicago no período em que Deirdre lecionava.

Deirdre está no Brasil para participar de um evento organizado pelo banco Credit Suisse. Previamente prevista para quarta-feira, 29, a palestra da americana no evento foi antecipada para esta terça-feira.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade