PUBLICIDADE

Jovens e negros são maioria entre internados por violência armada no SUS

Estudo do Instituto Sou da PAZ também revela que, além de mais vitimada por armas de fogo, a população negra conta com um sistema de saúde mais deficitário

20 dez 2021 13h09
ver comentários
Publicidade
Imagem mostra armas de fogo descartadas empilhadas no chão
Imagem mostra armas de fogo descartadas empilhadas no chão
Foto: Imagem: Tânia Rêgo/Agência Brasil / Alma Preta

O Brasil perdeu em média mais de 40 mil pessoas por ano vítimas de arma de fogo, instrumento usado em 78% dos homicídios no país, ao longo da década 2010-2019. Para além das vidas perdidas - a maioria jovens negros - a violência armada impacta na saúde pública e custa milhões aos cofres públicos: em 2020, foram registradas no país 17,2 mil internações decorrentes de lesões provocadas por arma de fogo que totalizaram um custo de R$ 37,8 milhões ao Sistema Único de Saúde. (SUS)

As agressões são a principal causa dessas lesões, seguidas pelos acidentes com arma de fogo. Os dados fazem parte do estudo do Instituto Sou da Paz, intitulado "Custos da violência armada: Estimação e análise dos gastos com vítimas de arma de fogo atendidas na rede hospitalar do SUS". 

Só em 2020, 57% dos pacientes internados por violência armada no SUS eram jovens (entre 15 a 29 anos), 91% eram homens e 56% eram pessoas negras. De acordo com a pesquisa, homens ficam mais tempo internados, com custos e taxa de mortalidade maiores, o que possivelmente indica a maior gravidade das lesões por violência armada que vitimam homens em comparação com mulheres.

As vítimas negras são 56% dos internados, porém, como no conjunto de óbitos provocados por arma de fogo essa proporção chega a 76%, deduz-se que a participação da população negra nas internações está bastante subestimada, considerando ainda que falta informação sobre raça/cor em 1/4 dos registros hospitalares.

O relatório também revela que, além de mais vitimada por armas de fogo, a população negra conta com um sistema de saúde mais deficitário: o custo médio da internação por violência armada é menor entre vítimas negras em comparação às não negras, assim como a disponibilidade de profissionais da saúde é menor nos estados com maior proporção de população negra, o que sinaliza para uma sobreposição de vulnerabilidades. 

"O estudo identifica a desigualdade racial entre as vítimas de violência armada internadas na rede hospitalar, sinalizando mais uma vez para a urgência de reconhecer e enfrentar o racismo estrutural que tem entre seus efeitos a acentuada vitimização da população negra por violência", comenta Carolina Ricardo, diretora-executiva do Instituto Sou da Paz, à imprensa.

 Dados oficiais de mortes por Covid-19 nos presídios são falhos, diz monitoramento

Custos de internações

O estudo ainda revela que entre os anos 2009-2017 o custo das internações relacionadas à violência armada ultrapassou R$ 50 milhões por ano, observando-se uma redução dos valores nos anos recentes (a partir de 2018) alinhada à redução geral de mortes violentas no país.

No entanto, o custo das internações hospitalares é apenas uma parte do ônus da saúde no atendimento de vítimas de violência armada, já que há custos bancados com recursos próprios dos estados e municípios.

Carolina Ricardo finaliza que é preciso analisar o impacto que a disponibilidade de armas de fogo traz ao país no atual contexto de flexibilização. "A arma de fogo é instrumento reconhecido como fator de risco à violência inclusive pela área da saúde e que resulta em agravos evitáveis que consomem recursos que poderiam ser destinados a outras demandas". 

Alma Preta
Publicidade
Publicidade