0
TV

Presidente da Warner sai do cargo em meio a escândalo sexual

Kevin Tsujihara sofre acusações de ter prometido trabalhos a uma atriz com quem mantinha relações sexuais

19 mar 2019
05h13
atualizado às 09h11
  • separator
  • comentários

NOVA YORK - O presidente da Warner Bros. Kevin Tsujihara deixou o cargo nessa segunda-feira, 18. A renúncia aconteceu após sofrer acusações de ter prometido trabalhos a uma atriz com quem mantinha relações sexuais. O diretor geral da Warner Media John Stankey anunciou a saída de Tsujihara como presidente e diretor executivo da Warner Bros.

"Kevin contribuiu muito para o sucesso desse estúdio ao longo dos últimos 25 anos. Lhe agradecemos por isso", disse Stankey. "Kevin reconhece que seus erros não condizem com o que se espera do líder de nossa companhia e que poderiam afetar a capacidade de exercer o seu cargo no futuro da companhia".

Kevin Tsujihara, ex-executivo da Warner
Kevin Tsujihara, ex-executivo da Warner
Foto: Danny Moloshok / Reuters

A WarnerMedia iniciou uma investigação no começo deste mês, depois que a revista Hollywood Reporter publicou uma reportagem na qual detalhava uma troca de mensagens de texto entre Tsujihara e a atriz britânica Chrlotte Kirk. As mensagens remontam a 2013.

A conversa insinuava uma relação sexual entre a aspirante a atriz e o chefe dos estúdios. Em troca, Tsujihara prometia apresentar Charlotte a executivos influentes da companhia e lhe prometia papéis em trabalhos para o cinema e a televisão.

Em um documento dirigido aos funcionários da Warner Bros. nessa segunda-feira, Tsujihara disse que deixava a companhia depois de um grande momento de introspecção e de discussões com John Stankey. "Ficou claro que minha permanência na liderança do estúdio poderia ser uma distração e um obstáculo para o seu sucesso".

O advogado de Tsujihara, Bert H. Deixler, previamente declarou que seu cliente "não teve participação direta na contratação de Charlotte Kirk". Tsujihara, que liderava o estúdio de Burbank, Califórnia, desde 2013, se comprometeu a cooperar plenamente com a investigação interna. Ele ainda se desculpou com os funcionários da Warner Bros. por seus "erros pessoais que causaram tanta dor e vergonha às pessoas que mais ama".

Veja também

Limpeza de Fukushima enfrenta novos obstáculos

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade