1 evento ao vivo
TV

Criadores de 'Avatar' deixam produção de live-action da Netflix

Bryan Konietzko e Michael Dante DiMartino citaram divergências criativas envolvendo o planejamento da série

12 ago 2020
17h13
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Criadores do desenho animado de 2005 citaram divergências criativas com a Netflix
Criadores do desenho animado de 2005 citaram divergências criativas com a Netflix
Foto: John Staub / Netflix / Divulgação / Estadão

Os criadores do desenho animado Avatar: A Lenda de Aang, Bryan Konietzko e Michael Dante DiMartino, anunciaram nesta quarta-feira, 12, que decidiram abandonar a produção de uma versão live-action da animação. A nova série está sendo produzida pela Netflix.

Konietzko e DiMartino citaram divergências com a Netflix envolvendo a "visão" que eles tinham para a série e seu conteúdo. "Quando a Netflix me trouxe para comandar a série junto com Michael há dois anos, eles fizeram uma promessa pública de apoiar nossa visão. Infelizmente, essa promessa não foi cumprida", disse Konietzko em uma publicação no Instagram.

"A adaptação live-action da Netflix tem o potencial de ser boa. Ela pode acabar sendo algo que muitos de vocês acabem gostando. Mas o que eu tenho certeza é que qualquer versão que chegue nas telas não será a que eu e Brian imaginamos ou queríamos fazer", disse DiMartino em outra publicação.

Os dois destacaram que ainda querem produzir outros conteúdos sobre o universo da série, mas não se envolverão mais com a produção da Netflix. A versão live-action de Avatar: A Lenda de Aang tinha sido anunciada em 2018. A produção começou em 2019, e não há informações se ela continuará mesmo com a saída dos seus produtores executivos.

A animação, lançada em 2005, conta com três temporadas e gerou diversos prêmios, um filme live-action, O Último Mestre do Ar, e continuações com histórias em quadrinhos e a animação Avatar: A Lenda de Korra. O desenho está disponível na Netflix.

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais

Veja também:

O chef premiado que valoriza peixes considerados menos nobres
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade