0

Fim do reality: nem fãs suportam mais o show de futilidade

Queda de audiência, rixas em família e a pandemia contribuíram para o cancelamento do Keep Up with the Kardashians

10 set 2020
12h04
atualizado às 12h05
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A foto principal deste post representa o que é o Keep Up with the Kardashians: um programa artificial e enganoso, assim como a imagem exageradamente retocada de suas protagonistas. Todo reality show possui uma dose de frivolidade e manipulação a fim de atrair, prender e agradar ao público. A produção sobre o dia a dia das influenciadoras mais bem-sucedidas dos Estados Unidos ultrapassa o limite aceitável dessa fórmula.

Kris, Kylie, Kourtney, Kim, Khlóe e Kendall: a TV passou a ocupar tempo demais na agenda das influenciadoras
Kris, Kylie, Kourtney, Kim, Khlóe e Kendall: a TV passou a ocupar tempo demais na agenda das influenciadoras
Foto: Divulgação

Funcionou por muitos anos, porém até os admiradores do clã Kardashian-Jenner se cansaram. A audiência caiu do pico de 5 milhões de telespectadores em 2010 para 900 mil esse ano. O anúncio do fim da atração em 2021 prova o crescente desinteresse pela vida glamourosa e vazia de Kim, Kourtney, Khloé, Kendall, Kylie e Kris. Tudo se tornou repetitivo, previsível, enfadonho.

O ápice da decadência do conteúdo aconteceu em episódio exibido em abril, quando Kim e Kourtney trocaram tapas, chutes e puxões de cabelos. As redes sociais adoraram, mas a audiência não reagiu. Ainda que aparentemente tenha sido uma briga real, que resultou em hematomas e arranhões, o vexaminoso embate físico foi interpretado como mera apelação, mais um golpe de marketing para promover as celebridades do programa.

A decretação do fim do Keep Up with the Kardashians foi motivada também pela convivência cada vez mais difícil entre suas estrelas. As gravações exigem um tempo de interação que elas demonstram não suportar mais e o cachê representa fração mínima dos ganhos pessoais. Cada uma está mais interessada em cuidar do próprio império, sem depender da imagem da outra. Tanto é que cogitam alguns spin-offs, ou seja, realities individuais, onde possam divulgar seus produtos sem vinculação com as parentes ‘rivais’.

A briga novelesca entre irmãs repercutiu na imprensa e nas redes sociais, mas só piorou a imagem do programa
A briga novelesca entre irmãs repercutiu na imprensa e nas redes sociais, mas só piorou a imagem do programa
Foto: Reprodução

As dificuldades de gravar na pandemia de covid-19 — distanciamento social, eventos suspensos, viagens canceladas — foi outro fator para precipitar o ‘the end’ do KUWTK. As seis mulheres que transformaram os sobrenomes Kardashian e Jenner em grifes faturaram cerca de US$ 2 bilhões (R$ 8 bilhões) desde o início da atração em 2007. Um fenômeno sem precedentes criado a partir da força da televisão em conjunto com o frenesi das redes sociais. O canal E! tem o desafio de encontrar outra família midiática capaz de render um produto semelhante.

Veja também:

Carol Francischini treina na varanda de sua casa
Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade