0

Shania Twain volta ao topo e Tom Petty entra novamente nas paradas dos EUA

9 out 2017
18h20
atualizado às 18h32
  • separator
  • comentários

O primeiro álbum de estúdio de Shania Twain em 15 anos estreou no topo das paradas de álbuns da Billboard, ao passo que a morte do roqueiro Tom Petty fez com que suas músicas voltassem às paradas norte-americanas.

Shania Twain canta no Aberto dos EUA
 28/8/2017   REUTERS/Shannon Stapleton
Shania Twain canta no Aberto dos EUA 28/8/2017 REUTERS/Shannon Stapleton
Foto: Reuters

          O álbum "Now", de Twain, vendeu mais de 137 mil cópias em sua primeira semana, de acordo com dados da Nielsen SoundScan nesta segunda-feira, quase o dobro em relação a lançamentos das cantoras pop Demi Lovato e Miley Cyrus.

          O álbum "Greatest Hits" de Petty com sua banda The Heartbreakers, lançado pela primeira vez em 1993, vendeu mais de 83 mil unidades e assumiu o número 2 na Billboard 200 uma semana após o cantor de "American Girl" falecer, aos 66 anos.

          A parada Billboard 200 contabiliza unidades de venda de álbuns, venda de faixas (10 músicas equivalem a um álbum) e atividade em streaming (1.500 reproduções equivalem a um álbum).

          A cantora country-pop canadense, de 52 anos, lançou "Now" após vários anos fora dos estúdios, depois de lutar contra doença de Lyme e um difícil divórcio.

          "Tell Me You Love Me", de Demi Lovato, assumiu o terceiro lugar, com 73 mil unidades vendidas, enquanto a mudança de direção de Miley Cyrus para um estilo mais tradicional norte-americano com "Younger" estreou em quinto lugar, com cerca de 45 mil unidades vendidas.

          Também foi uma boa semana para Beyoncé e para levantamento de fundos para desastres causados por furacões e terremotos. O remix da cantora de R&B do sucesso em espanhol "Mi Gente" assumiu o principal posto da parada de músicas digitais, que mede venda online de singles.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade