2 eventos ao vivo

Sequência de "Avatar" retoma filmagens na Nova Zelândia

15 jun 2020
10h36
atualizado às 10h39
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

As filmagens da sequência do filme de ficção científica "Avatar", de James Cameron, levarão centenas de empregos e milhões de dólares para a Nova Zelândia após o término do surto de coronavírus, informou o produtor do filme à mídia em meio à retomada da produção nesta segunda-feira.

James Cameron durante lançamento de "Avatar" em São Paulo
11/04/2010
REUTERS/ Fernando Donasci
James Cameron durante lançamento de "Avatar" em São Paulo 11/04/2010 REUTERS/ Fernando Donasci
Foto: Reuters

A equipe do filme, incluindo o diretor Cameron e o produtor Jon Landau, recebeu permissão especial para viajar à Nova Zelândia há duas semanas, apesar de suas fronteiras estarem fechadas para conter o coronavírus, provocando algumas queixas sobre tratamento injusto.

Mas Landau disse que a Nova Zelândia tem muito a ganhar.

"Essa produção sozinha contratará 400 neozelandeses para trabalhar nela", afirmou Landau à 1News depois de sair de um hotel em Wellington, onde ele e seus colegas estão em quarentena desde que chegaram.

"Vamos gastar, nos próximos cinco meses, mais de 70 milhões de dólares aqui", disse ele.

As filmagens foram suspensas em março, pouco antes de a Nova Zelândia entrar em isolamento rigoroso por causa do coronavírus.

O isolamento sufocou o surto e, na semana passada, a Nova Zelândia suspendeu todas as restrições, exceto os controles de fronteira, depois de declarar que estava livre do vírus, um dos primeiros países do mundo a retornar à normalidade pré-pandêmica.

O filme "Avatar" está entre algumas produções da Nova Zelândia, que espera conquistar mais negócios relacionados ao cinema após sua campanha bem-sucedida contra o coronavírus.

Veja também:

Saiba tudo sobre os 14 participantes do 'BBB21'
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade