PUBLICIDADE

Réquiem para um amor, ópera 'A Voz Humana' chega ao palco do Municipal

Produção assinada pelo diretor André Heller Lopes tem a soprano Rosana Lamosa como a personagem Elle

22 out 2021 05h10
ver comentários
Publicidade

Uma mulher ao telefone, conversando com o homem que ama - e que, ela agora sabe, ama outra pessoa. É a última conversa entre os dois. E o ponto de partida para uma das mais importantes peças do escritor francês Jean Cocteau, A Voz Humana, mais tarde adaptada pelo compositor Francis Poulenc em uma ópera que será apresentada a partir de hoje no Theatro Municipal de São Paulo.

"Em certo sentido, é muito mais fácil encenar uma ópera como Tosca", diz o diretor André Heller-Lopes. "Aqui, você tem a soprano no palco o tempo todo, sozinha, durante cinquenta minutos. Não há subterfúgios, não há distrações."

Para ele, o grande desafio da ópera, estreada em 1958, quase trinta anos depois da peça, é construir cenicamente os diversos estados de alma pelos quais passa a personagem.

"O que ela experimenta não é diferente do que todos sentem ao final de um relacionamento. Ela mente, diz a verdade, fica histérica, fala, canta. Ali aparecem a mentira, a perda, a memória, tudo isso está presente no texto. Enquanto a música, em sua diversidade, funciona como se fosse o outro lado da linha", diz o diretor.

Cocteau chamou a personagem simplesmente de Elle (Ela, em português). Mas, para o diretor, a questão do gênero não é tão importante. "A ópera fala dos nossos ciclos na vida, das opções que fazemos, o que deu certo, o que deu errado. A Voz Humana é isso, a busca por verdades. Não importa o gênero. O que vemos é um réquiem para o amor. Ainda que a questão do suicídio apareça, o que acho interessante é a ideia de que, após a morte do amor, você continua vivo."

O monólogo, ou monodrama, como Cocteau chamava o texto, será cantado no Municipal pela soprano Rosana Lamosa. As récitas acontecem também nos dias 23 e 25. Participam os músicos da Orquestra Sinfônica Municipal, regidos pelo maestro Alessandro Sangiorgi. Após a obra de Poulenc, será apresentada a peça Ópera Aberta para Cantora e Halterofilista, de Gilberto Mendes.

No dia 25, Dia Mundial da Ópera, o Municipal recebe o segundo encontro Ópera em Pauta, promovido pelo Fórum Brasileiro de Ópera, Dança e Música de Concerto. Os debates e palestras serão realizados entre as 10 e as 18 horas. As inscrições podem ser feitas no site do Theatro Municipal de São Paulo e são gratuitas.

Estadão
Publicidade
Publicidade