0

Blues africano é destaque no Mimo Festival

Em sua primeira edição em São Paulo, projeto que será de 22 a 24 de novembro terá shows dos malinenses Amadou & Mariam e da mauritanense Noura Mint Seymali

7 nov 2019
18h13
atualizado às 18h31
  • separator
  • 0
  • comentários

São Paulo vai ganhar pela primeira vez uma edição da Mimo Festival, um dos festivais mais instigantes do calendário anual por focar em atrações de eixos culturais incomuns e desafiadores com shows gratuitos. Os shows serão entre 22 e 24 de novembro, realizados na Praça das Artes, Theatro Municipal, Centro Cultural São Paulo e no Mosteiro de São Bento. Dias depois, de 29 de novembro a 1 de janeiro, o Rio sedia os shows na Fundição Progresso e no Museu da República.

Entre as atrações que chegam, alguns destaques. O casal de cegos do Mali, Amadou & Mariam, é dessas expressões que podem trazer séculos de história em uma canção. Eles habitam um estágio interessante de blues, que tem as origens africanas (é do Mali que o gênero sai direto para o Sul dos Estados Unidos) mas também as influências ocidentais. É ao mesmo tempo o blues que sai da África, com sua divisão rítmica direta, sem refrões, sem guitarras de solos exuberantes e um poder hipnótico na repetição das melodias, e o blues que volta dos Estados Unidos, refletido na formação de baixo, guitarra e bateria. O show deles por aqui será em 23 de novembro, às 23h, na Praça das Artes.

Da mesma África, ao lado do Mali, na ponta leste, vem uma mulher que tem desbravado a música de seu país com um instrumento de cordas só conhecido na Mauritânia. Noura Mint Seymali e seu ardine se municiam também de uma formação de baixo, guitarra e bateria para acompanhar as escalas de cinco tons (pentatônicas) que fazem sua música ser considerada blues. Noura, muçulmana, traz uma outra tradição, mais próxima dos blueseiros do deserto do Saara chamados Tinariwen. Ela toca também no dia 23, na mesma Praça das Artes, às 20h.

Outra atração de destaque, já testada em palcos da Mimo do ano passado é a guitarrista portuguesa Marta Pereira da Costa, considerada a primeira e ainda única mulher profissional da guitarra portuguesa em carreira mundial. Marta toca dia 22, às 20h, no Theatro Municipal.

Os nomes brasileiros serão da cantora baiana Xenia França, do rapper Edgar (SP e RJ), da cantora Fortuna, que fará uma apresentação em São Paulo acompanhada pelo Coro de Monges Beneditinos do Mosteiro de São Bento, e do pianista e violonista Egberto Gismonti e seu quarteto, uma atração frequente em outras edições do festival.

A produtora Lu Araújo, que idealizou o Mimo há quase 16 anos, fala sobre o significado de colocar de pé um evento como a Mimo em 2019: "Realizar o Mimo em 2019, em duas cidades grandes e num momento com tantos desafios para a cultura significa muita perseverança, trabalho em conjunto e amor à arte. Ao tempo que as dificuldades se impõem, surgem também outras vias de parceria, outros modos de fazer, e trazem um enorme poder simbólico: não estamos sozinhos. Sinto esse apoio como uma valorização de um festival que se consolidou por criar experiências autênticas, por ter como conceito a construção de ambientes inclusivos e plurais na cultura."

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade