PUBLICIDADE

Manifestantes tentam invadir MoMA em protesto contra influência de patrocinadores

Segundo comunicado do museu, dois guardas foram feridos; um manifestante declarou ter sido esmurrado por um segurança

1 mai 2021
0comentários
Publicidade

O Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova York impediu que os manifestantes entrassem no museu na sexta-feira à tarde, na conclusão de uma marcha destinada a chamar a atenção para o que os manifestantes dizem ser a influência indevida de patrocinadores ricos nos valores e na programação da instituição cultural.

O museu disse que foi forçado a fechar as portas quando os manifestantes tentaram entrar no museu. "Em resposta, o pessoal de segurança fechou a entrada de acordo com os protocolos de segurança estabelecidos", disse o museu, em um comunicado. Segundo o documento, dois guardas foram feridos por manifestantes durante o tumulto.

Um dos manifestantes disse que foi esmurrada por um guarda. Na semana passada, os organizadores do protesto enviaram uma carta ao diretor do MoMA, Glenn Lowry, chamando o museu de "um sistema de poder e riqueza que prejudica as pessoas", enquanto criticava vários membros do conselho por seus investimentos financeiros. O principal entre os nomeados foi o bilionário Leon Black, que anunciou em março que deixaria sua posição como presidente do museu após a pressão generalizada de artistas e ativistas sobre seus laços com o criminoso sexual condenado Jeffrey Epstein.

"Queremos assumir essas instituições; eles não pertencem aos oligarcas ", disse Amin Husain, um dos organizadores da manifestação, a uma multidão de cerca de 40 ativistas antes de marchar da Columbus Circle para o museu. Husain já havia ajudado a organizar nove semanas de protestos no Whitney Museum, que terminaram com a renúncia de um veterano membro do conselho, Warren B. Kanders. Segundo os ativistas, Kanders não era adequado para servir como curador porque sua empresa, o Grupo Safariland, vendeu suprimentos militares e policiais, incluindo gás lacrimogêneo.

A campanha Strike MoMA, que está programada para durar 10 semanas até 11 de junho, envolve uma coalizão de grupos ativistas que se autodenominam Imaginação Internacional de Sentimentos Anti-Nacional e Anti-Imperialistas. Seus objetivos envolvem desmantelar a hierarquia do museu, que eles acusam de polir a reputação de doadores ricos por meio da arte.

Antes da manifestação, um porta-voz do MoMA disse que os manifestantes, se tivessem ingressos e fossem aprovados no protocolo de triagem covid-19, teriam permissão para entrar no saguão do museu. Em um e-mail para a equipe no início de abril, Lowry disse que o museu "respeita o direito de protestar", mas acrescentou: "Não concordo que o desmantelamento do MoMA, ou de qualquer museu, atenda aos melhores interesses do público".

Durante o protesto, os visitantes do museu permaneceram no saguão, olhando para o confronto na rua com preocupação e confusão. Duas pessoas que se identificaram como funcionários do museu saíram do prédio, dizendo que estavam frustrados porque outros funcionários haviam dito em uma reunião de equipe no início da semana que os manifestantes teriam permissão para entrar.

"Essas tentativas de nos impedir são fúteis", disse Shellyne Rodriguez, um ex-educador do MoMA por oito anos que agora é filiado ao grupo de protesto. "O que Glenn Lowry fez foi colocar seus funcionários em uma posição difícil." O museu disse em seu comunicado que os manifestantes demonstraram "total desrespeito pela segurança e bem-estar de nossa equipe e visitantes" ao tentar "forçar a entrada em massa no museu".

Estadão
Publicidade
Publicidade