0

Ex-BBB Marcos nega pedido de habeas corpus por investigação

"Nego veementemente qualquer medida neste sentido", afirmou o cirurgião em sua conta no Twitter

19 abr 2017
14h48
atualizado às 16h14
  • separator
  • comentários

O ex-BBB Marcos usou as redes sociais nesta quarta-feira (19) para negar que tenha tentado conseguir um habeas corpus. No Twitter, o cirurgião plástico - que tem recebido apelos de fãs para reatar o namoro - escreveu: "tomei conhecimento hoje, através da imprensa, de que foi impenetrado em meu nome um habeas corpus. Nego veementemente qualquer medida neste sentido".

Na postagem, o ex-participante do reality - que teria voltado a usar uma pulseira dada pela gêmea - ainda afirma que entrou em contato com seus representantes no caso e tal pedido não foi feito por eles. "Isso não foi efetuado por mim, nem pelos advogados que me representam. Já estamos tomando as medidas cabíveis", indicou o gaúcho.

Diretora da Divisão de Proteção e Atendimento à Mulher (Deam), Márcia Noeli Barreto afirmou ter ficado confusa diante da medida atribuída a Marcos e seus advogados. "Ele entrou com o pedido contra mim. Não entendi nada. Recebi o comunicado ontem (18) e vou responder hoje (19) ainda. O acusado especificou meu nome como quem instaurou o inquérito. Mas ele errou. Quem está investigando o caso é a delegada Viviane Costa. Mas o advogado vai fazer o papel dele, entendo. Não, há, no entanto, nada que eles aleguem que possa ser incorreto. Está tudo na lei e esse pedido não atrapalha as investigações", indicou ao jornal "Extra" a delegada, que anteriormente esclareceu que a decisão de expulsar Marcos do programa foi unicamente tomada pela Globo.

À publicação, o juiz Marco Couto, da 1ª Vara Criminal de Jacarepaguá, indicou que quer ouvir a delegada antes de tomar qualquer decisão. "C onsiderando as circunstâncias do caso concreto, entendo que o pedido de liminar deva ser examinado após a Autoridade Coatora prestar as suas informações, já que a inicial veio desamparada de qualquer cópia dos autos do inquérito policial. Por isso, oficie-se a Autoridade Policial a fim de que preste esclarecimentos, no prazo de 72 horas, sendo certo que o pedido liminar será examinado com a chegada de tais informes", ponderou o magistrado.

PurePeople

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade