4 eventos ao vivo

Anoréxica em 'Malhação', Rayssa Bratillieri superou bulimia

No ar como a Pérola da trama adolescente, atriz revela ao Purepeople ter enfrentado o distúrbio alimentar quando era modelo no Paraná. 'Diziam que eu tinha que emagrecer, e já era mais magra do que sou hoje. Comia compulsivamente e vomitava', recorda. Rayssa também ingeriu laxantes para perder peso, escondeu dos pais o que fazia e agora vai precisar emagrecer 5 quillos para a novela, com ajuda especializada: 'Procurei nutricionisa'

16 mai 2018
12h29
atualizado às 12h33
  • separator
  • comentários

Assim como sua Pérola da novela "Malhação: Vidas Brasileiras", Rayssa Bratillieri revela já ter encarado a luta contra a bulimia. "Passei por isso quando tinha 16, 17 anos quando era modelo na minha cidade, no Paraná (a atriz é natural de Apucarana). Chegava nas agências e diziam que eu tinha que emagrecer, e já era mais magra do que sou hoje", recorda ao Purepeople. "Comecei a entrar em uma noia e não parava de comer. Comia compulsivamente e vomitava. Tive bulimia e não anorexia. Isso mexe muito com a nossa cabeça, é muito delicado", acrescenta a intérprete da mimada filha de Isadora (Ana Beatriz Nogueira) na trama adolescente. O drama da jovem será o próximo assunto a ser debatido na atual temporada, que aposta em histórias mais curtas.

Raysa Bratillieri, a Pérola de 'Malhação: Vidas Brasileiras', já superou bulimia, revelou ao Purepeople: 'Aos 16, 17 anos quando era modelo no Paraná. Comecei a entrar em uma noia e não parava de comer. Comia compulsivamente e vomitava'
Raysa Bratillieri, a Pérola de 'Malhação: Vidas Brasileiras', já superou bulimia, revelou ao Purepeople: 'Aos 16, 17 anos quando era modelo no Paraná. Comecei a entrar em uma noia e não parava de comer. Comia compulsivamente e vomitava'
Foto: Divulgação, Rolf Muller / PurePeople

Atriz teve vergonha de contar aos pais: 'Vergonha de falar'

Segundo Rayssa, foi recentemente que os pais dela souberam do distúrbio alimentar, que já atingiu Mayla Araújo, do "BBB17". "Na verdade contei tem pouco tempo. Soube que a Pérola teria e os chamei para dizer o que passei. Na época tinha vergonha de falar e como é um assunto muito delicado queria que eles soubessem antes de mim", explica a paranaense, contando qual foi a reação da mãe. "Ela ficou sem acreditar que nunca percebeu que eu fazia isso. Ela ficou um pouco de culpa, mas ela não tinha culpa", recorda. "Realmente eu escondia e não quis contar porque existe o sentimento de vergonha e achar que vai passar. Sabia que era errado. Era uma culpa tão grande por estar comendo muito que pensava: é só mais uma vez e vai passar. Aí expliquei que não faço mais isso, conversamos e ela disse que está aberta para conversar e me ajudar sempre", relata.

'É preciso buscar terapeuta', aconselha Rayssa

E a atriz afirma ser necessário o acompanhamento de um profissional. "É uma coisa física, mas é muito mais psicológica. Está ligado à depressão, à baixa autoestima. E precisamos conversar, buscar um terapeuta, não é algo que passa facilmente. Se as pessoas conhecem alguém que passa por isso, é muito importante: não desistir", aconselha Rayssa. "Para sair dessa é importante entender que existem corpos diferentes, biótipos diferentes. E mais importante do que a forma como as pessoas te vê, é a imagem que você tem de si mesmo", acrescenta, criticando a ditadura das medidas exatas que ainda existe. "Hoje existe uma máxima de vida perfeita, corpo perfeito, saúde perfeita. De achar que está comendo bem só porque está assistindo um vídeo on-line", frisa.

Atriz passou a tomar laxante ao ganhar peso

Durante o período em que conviveu com a bulimia, Rayssa viu o esôfago sentir os efeitos do distúrbio. "Na bulimia você não emagrece, não fica abaixo do peso, por que come compulsivamente. Fica no ciclo de comer compulsivamente e vomitar. Aí machuca o sistema digestório, os dedos e fica completamente desnutrido, fraco", afirma. "Eu comia muito porque não aguento e vomitava. Tenho uma sensibilidade forte na garganta e como o suco gástrico volta, começou a fazer muito mal para o esôfago. Comecei a sentir de verdade e parei de vomitar, sozinha. Isso lá no Paraná", recorda a estreante na TV, assim como Alice Milagres, intérprete da doce e brava Maria Alice. E os problemas seguiram quando ela trocou o estado natal pelo Rio de Janeiro ao morar sozinha. "Engordei muito porque fazia minha comida e comia muita besteira. Comecei a ficar com um peso na consciência absurdo e cheguei a praticar bulimia várias vezes aqui, mas de outra maneira. Comecei a tomar laxante, que também é uma forma de bulimia e dá a mesma fraqueza que o vômito", explica. "Com isso a gente deixa de viver, de ter saúde, de tocar o outro de alguma forma e só fica pensando em ser magra. Quem está passando por isso tem que buscar ajuda, conversar com alguém, ter força. Temos que colocar nossa missão de vida em prática", reforça.

Atriz admite vulnerabilidade, mas pondera: 'Tenho consciência dos gatilhos'

Rayssa conta também que atualmente sabe que é possível perder peso sem abalar a sua saúde. "Já passei por momentos de fraqueza, que me vi pensando sobre, mas hoje sei que não é legal e que não quero. Contando essa história eu sei que consigo emagrecer e ter o corpo que eu quiser tendo saúde", exalta. "Claro que tenho uma vulnerabilidade, mas a partir do momento que se tem consciência dos gatilhos, colocar na balança o fazer ou não é mais fácil. A minha vontade é estar bem, ter saúde, fazer um monte de coisa. Tem que ser forte para todo mundo, para toda mulher, para toda mulher que passa por isso. Temos que buscar estar internamente bem, não tentando agradar o outro", ensina.

Rayssa vai perder 5 quilos para novela

Para a nova etapa de sua personagem, a atriz precisou emagrecer, assim como ocorreu com Ellen Rocche, e recorreu a ajuda especializada para isso. "Procurei uma nutricionista e já tive a minha primeira consulta. Hoje em dia todo mundo está sabendo de tudo sobre alimentação, mas temos que saber o que é bom para o nosso corpo e parei no lugar de: vou contar uma história de uma menina que tem distúrbio alimentar e não posso emagrecer de uma forma errada porque vou ser exemplo para outras meninas", ressalta. "Então busquei a médica para dizer que posso emagrecer com saúde caso queria, mas que posso ser gorda e ter saúde também. Independente do seu tipo físico. Existe uma pressão para ser magro, a Organização Mundial da Saúde ressaltou isso há um tempo, e na internet isso virou um estereótipo e posso garantir que isso não é felicidade. Vou perder em média de cinco quilos", finaliza.

(Com apuração de Patrick Monteiro e texto de Guilherme Guidorizzi)

PurePeople

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade