PUBLICIDADE

Produtor vencedor do Oscar se afasta de Hollywood após denúncias de violência e abusos

20 abr 2021
0comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/AMPAS / Pipoca Moderna

Um dos produtores mais premiados da indústria do entretenimento dos EUA, Scott Rudin, vencedor do Oscar por "Onde os Fracos Não Têm Vez' (2007), vai se afastar de todas as atividades de teatro, cinema e TV após vários funcionários virem à público denunciar seu comportamento violento. Segundo relatos, por décadas ele agiu de forma beligerante nos bastidores, utilizando o assédio moral como forma de tratamento habitual.

Chamado de "monstro" em algumas denúncias, Rudin teria ultrapassado do limite várias vezes, extrapolando no uso de tortura psicológica e até violência física em seu arsenal de bullying cotidiano no ambiente de trabalho.

As denúncias se acumularam nos últimos dias, até o produtor se ver forçado a se manifestar. Ele se desculpou publicamente por meio de uma nota enviada à imprensa americana e anunciou seu afastamento de Hollywood e da Broadway.

O anúncio chegou após algumas produtoras com quem mantinha relação comercial terem declarado que não voltariam a trabalhar com ele.

Rudin virou pessoa non-grata no estúdio A24, para quem produziu os filmes "Joias Brutas" e "Lady Bird", e vai sair de todos os projetos que desenvolvia para a produtora, incluindo "Men", de Alex Garland, e "Red, White and Water", um drama de guerra que será estrelado por Jennifer Lawrence.

Ele também tem um acordo com o 20th Century Studios desde 2015, que atualmente possui várias produções finalizadas e com exibição agendada, entre elas o suspense "A Mulher da Janela", que será lançado em 14 de maio na Netflix, e "A Crônica Francesa" (The French Dispatch), novo filme de Wes Anderson com première agendada para o Festival de Cannes 2021.

Além disso, Rudin é produtor da série "O Que Fazemos nas Sombras" (What We Do in the Shadows) do canal pago FX, entre outras atrações televisivas e de streaming.

A decisão de se afastar dos filmes e das séries foi tomada poucos dias após o anúncio de abandono de suas produções da Broadway, onde estava à frente de "The Music Man", protagonizada por Hugh Jackman, e "O Livro de Mórmon".

"Depois que comentei no fim de semana que estava focado na reabertura da Broadway e não queria que meu comportamento prejudicasse os esforços de todos para voltarem a apresentar espetáculos [após a covid-19], ficou claro para mim que devo seguir o mesmo caminho nos filmes e streaming. Lamento profundamente a dor que meu comportamento causou e dou este passo com o compromisso de crescer e mudar", ele declarou em nota oficial.

Não está totalmente claro o que isso implicará, se Rudin vai lucrar com os projetos que finalizou e se ele continuará a ser creditado como produtor.

"Muito tem sido escrito sobre minha história de interações problemáticas com colegas, e lamento profundamente a dor que meu comportamento causou aos indivíduos, direta e indiretamente", disse Rudin em sua primeira nota, sobre a Broadway.

Na denúncia original, publicada pela revista The Hollywood Reporter, o produtor de "A Rede Social", "Sangue Negro" e "Capitão Phillips" foi retratado como um patrão que jogava coisas nos empregados, incluindo um grampeador e até um prato de batata assada. Ele também quebrou um monitor de computação num assistente, que foi parar num pronto socorro, e teria ameaçado funcionários com retaliação profissional se o denunciassem ou deixassem o emprego.

A queda de Rudin é um sinal de que Hollywood não vai mais tolerar a tirania dos produtores e cineastas arrogantes, mudando o foco das denúncias de assédio sexual para enquadrar o comportamento abusivo dos poderosos nos sets de gravação. O cineasta Joss Whedon foi o primeiro a cair em desgraça por conta disso, após investigação interna da WarnerMedia. Ele não pediu desculpas.

Ganhando tração, a revolta contra o assédio moral pode trazer consequências para outros executivos famosos de temperamento explosivo, que alimentaram em Hollywood uma cultura tóxica de bullying.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade