2 eventos ao vivo

'Nenhuma decisão é definitiva', diz padre Fábio de Melo sobre aposentadoria musical

'A estrada se tornou muito pesada para mim, a música não, e eu não tenho como fazer a música sem a estrada', afirmou o cantor religioso

17 set 2019
18h50
  • separator
  • 0
  • comentários

O padre Fábio de Melo falou sobre seu anúncio de aposentadoria da carreira musical, feito em julho de 2019, em entrevista publicada no site Gshow nesta terça-feira, 17.

"Acho que nenhuma decisão é definitiva. Sempre é bom a gente ter o direito de escolher. A estrada se tornou muito pesada para mim - a música não, a estrada sim. Eu não tenho como fazer a música sem a estrada", afirmou o religioso.

Fábio de Melo ressaltou a necessidade de um descanso na carreira: "Fiquei muito surpreso desde o momento em que dissemos que não continuaríamos, em como tivemos pessoas já com uma certa nostalgia. [...] A pausa para mim neste momento é importante".

"A gente está pensando na possibilidade de não encerrar completamente, mas fazer logísticas em que eu não precise me deslocar tanto. Acredito muito no trabalho que a música faz em mim num primeiro momento, e depois em como repercute na vida da pessoa", ressaltou o padre Fábio de Melo.

A aposentadoria do padre Fábio de Melo

Fábio de Melo já vinha dando indícios de seus planos em parar com a carreira musical conforme tem hoje desde 10 de julho de 2019. Na ocasião, afirmou em seu programa, o Direção Espiritual: "Quero dizer que já estou me aposentando com o trabalho da música."

"Tudo indica que este [2019] será meu último ano fazendo este trabalho que eu faço de evangelização pela música. Tenho refletido muito, pedido muito a Deus que me ajude a decidir isso, mas estou muito certo de que o meu tempo com a música já deu", prosseguiu.

Na sequência, garantiu que não tem intenção de se afastar de sua religiosidade, e ainda cumprirá os shows marcados até o fim do ano: "Pretendo ficar em outras frentes de evangelização. Mas vamos trabalhar enquanto temos os compromissos marcados, né?"

A saída de padre Fábio de Melo do Twitter

Conhecido por sua presença constante nas redes sociais, padre Fábio de Melo se viu envolvido em uma polêmica no Twitter e anunciou seu afastamento da rede social em 9 de agosto, após ter feito críticas à 'saidinha' de Alexandre Nardoni da prisão. Alexandre foi condenado pela morte de sua filha, Isabella Nardoni, 5, em 2008.

"Não entendo de leis, mas a 'saidinha' deveria ser permitida somente no dia de finados - para que visitassem os túmulos dos que eles mataram", escreveu Fábio de Melo ao comentar uma notícia sobre a 'saidinha' de Alexandre Nardoni.

O comentário dividiu opiniões. Enquanto parte dos seguidores apoiou a revolta do padre com a notícia, outros tantos criticaram o sacerdote. "Com uma opinião m*** dessas, nem precisava ter começado com 'não entendo de leis', ficou redundante", escreveu um seguidor.

No dia seguinte, o religioso anunciou sua saída da rede social: "Meus queridos, vou ficando por aqui. Tenho uma saúde emocional a ser cuidada. Sei o quanto já provei a solidão provocada pela depressão, pelo pânico. Tomar remédios só faz sentido quando evitamos os gatilhos dos desconfortos. Este lugar deixou de ser saudável para mim".

"O Twitter sempre foi um lugar de encontro. A Ágora dos nossos tempos. O ponto de reuniões improváveis. Falei e fiquei amigo de quem não passaria na porta da minha igreja. Foi bom", prosseguiu.

Fábio de Melo fez questão de ressaltar que sua saída da rede social estava ligada à repercussão de seu comentário sobre Alexandre Nardoni da prisão: "Desde ontem, quanto expressei minha indignação sobre a 'saidinha', estou sendo acusado de justiceiro, desonesto, desinformado, canalha e outros nomes impublicáveis. Só reitero: já atuei na pastoral carcerária. Sei sobre a necessidade de ressocialização dos presos".

"Eu apenas salientei sobre a Justiça não ser capaz de preservar, para os que sofrem suas perdas, o simbolismo das datas, libertando os responsáveis pelas mortes de seus entes queridos. Só isso", concluiu. Leia mais sobre o caso aqui.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade