PUBLICIDADE

'Não tem problema nenhum', afirma Karina Bacchi sobre barriga de aluguel

Atriz está tentando engravidar novamente por meio de uma fertilização in vitro desde 2019, mas processo foi suspenso devido à pandemia

26 ago 2020 16h27
ver comentários
Publicidade
Karina Bacchi falou sobre sua tentativa de engravidar novamente por uma fertilização in vitro
Karina Bacchi falou sobre sua tentativa de engravidar novamente por uma fertilização in vitro
Foto: Reprodução/YouTube / Estadão

A atriz Karina Bacchi e o marido, o ex-jogador de futebol Amaury Nunes, participaram do programa Luciana By Night na terça-feira, 25, e falaram sobre a tentativa de ter filhos por meio de uma fertilização in vitro e outras opções, incluindo uma barriga de aluguel.

Karina ficou infértil após ter um problema de saúde e realizou uma fertilização in vitro, em que o óvulo e o espermatozoide entram em contato em laboratório e o embrião gerado é transferido para o útero de uma mulher, para ter o primeiro filho, Enrico, em 2017.

Ela comentou no programa que a fertilização foi mais fácil no caso do filho, e deu certo na primeira tentativa. "Agora tentei também com óvulos congelados, mas tinha uma cicatrização de cesárea que não estava bem cicatrizada, e faz diferença porque o embrião não implanta no útero, então tive que refazer a minha cicatrização", comenta Karina.

Essa necessidade acabou atrasando o processo, iniciado em 2019, e o casal precisou suspendê-lo devido à pandemia do novo coronavírus. Karina e Amaury pretendem retomá-lo assim que possível, mas, perguntados sobre o tema por Luciana Gimenez, eles disseram que não descartam outros procedimentos, incluindo a barriga de aluguel.

"Se fosse o problema de eu não poder gerar [o bebê], a gente não tem problema nenhum [com barriga de aluguel]. A gente tem essa possibilidade, tem a possibilidade de ovodoação, caso descubra que o problema é no meu óvulo", comentou a atriz.

Já sobre a possibilidade de ter gêmeos, algo que não é incomum em fertilizações in vitro, Karina disse que seria "melhor ainda", e Amaury também pareceu gostar da possibilidade: "por mim a gente tinha um time de futebol".

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais

Estadão
Publicidade
Publicidade