PUBLICIDADE

Mari Törőcsik (1935-2021)

17 abr 2021
15h01 atualizado às 15h48
0comentários
15h01 atualizado às 15h48
Publicidade
Foto: Divulgação/Hungarofilm / Pipoca Moderna

Mari Törőcsik, uma das atrizes mais célebres da Hungria, vencedora do prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cannes e estrela de dois filmes indicados ao Oscar, morreu na sexta-feira (16/4) em Budapeste após uma longa enfermidade. Ela tinha 85 anos.

Törőcsik se destacou logo na estreia, "Carrossel do Amor" (1956), aos 20 anos de idade, como uma camponesa que se apaixona por um menino camponês contra a vontade de seu pai. O filme de Zoltán Fábri teve première no Festival de Cannes e chamou atenção da crítica francesa para o talento da jovem. Então jornalista, o futuro diretor François Truffaut chegou a escrever em sua crítica do filme: "sem que a artista de 20 anos soubesse, ela era a maior estrela do festival".

Três anos depois, ela foi premiada como Melhor Atriz no Festival de Karlovy Vary, o mais importante do Leste Europeu, por "Kölyök" (1959), de Mihály Szemes e Miklós Markos, tornando-se rapidamente uma das atrizes mais requisitadas de sua geração.

Ela trabalhou com os principais mestres do cinema húngaro, como Miklós Jancsó, Márta Mészáros, István Gaál, István Szabó, Gyula Maár, Károly Makk e o próprio Zoltán Fábri, em várias ocasiões. Uma de suas muitas parcerias com Fábri, "Esta Rua é Nossa" (1968), disputou o Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira, assim como uma de suas colaborações com Makk, "Cat's Play" (1974),igualmente indicado ao prêmio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos EUA

Em 1971, ela recebeu uma Menção Especial do Júri do Festival de Cannes por seu desempenho em "O Amor" (1971), outro drama de Makk, e no ano seguinte voltou a conquistar o prêmio de interpretação em Karlovy Vary, por "Holt Vidék" (1972), de Gaál.

Mas foi somente em 1976, 20 anos após debutar na Croisette, que ela conquistou o prestigioso troféu de Melhor Atriz de Cannes pelo desempenho como uma atriz de teatro envelhecida em "A Locsei Fehèr Asszony", de Gyula Maár.

A parceria com Maár ainda lhe rendeu o troféu de Melhor Atriz no Festival de Taormina no ano seguinte, por "Teketória" (1977).

Ao longo do último meio século, foram mais de 100 papéis cinematográficos, a grande maioria no cinema húngaro, mas ela também contracenou com astros de Hollywood, em filmes como "Muito Mais que um Crime" (1989), de Costa-Gavras, filmado nos EUA com Jessica Lange, "Corações Covardes" (1990), coprodução italiana estrelada por Keith Carradine, Miranda Richardson e Kristin Scott Thomas, e o premiado sucesso internacional de István Szabó, "Sunshine - O Despertar de um Século" (1999), protagonizado por Ralph Fiennes.

Seu último trabalho foi lançado no ano passado, "Psycho 60", um curta experimental dedicado a recriar a cena do chuveiro de "Psicose" com 60 atrizes diferentes, uma para cada take, nos 60 anos de lançamento do clássico de Alfred Hitchcock.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade