PUBLICIDADE

Grammy encerra comitês secretos para seleção de indicados

Após críticas de artistas e acusações de manipulação, a organização revelou que a partir de 2022 haverá mais transparência

1 mai 2021
14h40 atualizado às 18h18
0comentários
14h40 atualizado às 18h18
Publicidade
Foto: Instagram/Billie Eilish / Pipoca Moderna

A Academia Fonográfica dos EUA anunciou na sexta-feira (30) o fim dos comitês secretos que selecionam as obras indicadas para o prêmio Grammy (o Oscar da música), após diversas críticas de artistas e acusações de manipulação que abalaram a premiação deste ano.

A organização do Grammy afirmou que os mais de 11 mil membros da Academia decidirão, em conjunto, os indicados para o prêmio de 2022. A decisão marca o fim das cartas marcadas da premiação, tirando a seleção dos indicados dos comitês formados por entre 15 e 30 supostos especialistas cujas identidades são desconhecidas.

Em comunicado, a Academia afirmou que as "mudanças significativas" refletem seu "compromisso contínuo de evoluir com o panorama musical e garantir que as regras e diretrizes dos prêmios Grammy sejam transparentes e justas". A próxima edição do Grammy terá 86 categorias — com a criação de duas novas, uma delas para a música latina.

As mudanças acontecem depois que o cantor The Weeknd acusou os organizadores do Grammy de "corrupção". Apesar do sucesso comercial e de crítica de seu novo álbum, ele não recebeu nenhuma indicação à premiação deste ano. "A corrupção do Grammy continua. Eles devem a mim, aos meus fãs e à indústria, transparência", declarou o artista canadense em novembro passado. Esnobado pelo Grammy, ele foi premiado no American Music Awards, MTV Video Music Awards e lidera as nomeações do Billboard Awards.

The Weeknd chegou a anunciar que boicotaria a premiação "para sempre". "Por causa dos comitês secretos, não permitirei mais que minha gravadora envie minha música ao Grammy", reiterou em um comunicado enviado à imprensa em março passado. O fim agora anunciado dos comitês foi precedido por acusações até da ex-presidente da Academia.

O desfecho aconteceu mais de um ano depois de Deborah Dugan ser demitida da função, justamente por fazer várias denúncias internas sobre corrupção e abusos - incluindo sexuais - de membros da instituição. Em sua saída, ela tornou algumas das denúncias públicas, inclusive que os comitês secretos eram formados por pessoas que representam ou têm relacionamentos com os artistas indicados, e que a própria Academia forçava os comitês a escolherem artistas que gostaria que se apresentassem ao vivo no evento.

Dugan processou a Academia e, por isso, a discussão sobre os bastidores da organização se tornaram segredo de Justiça. As mudanças, porém, mostram que as acusações de corrupção começaram a abalar a credibilidade do prêmio e Harvey Mason Jr, presidente interino que substituiu Dugan, precisou tomar medidas drásticas para evitar que o Grammy perdesse seu prestígio e caísse no mesmo descrédito que o Globo de Ouro passou a enfrentar neste ano.

Mason disse que este foi "um ano de mudanças transformadoras sem precedentes para a Academia Fonográfica". Ao comentar as mudanças, ele resumiu: "Esta é uma nova Academia, que dobrou seu compromisso de atender às necessidades da comunidade musical".

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade