PUBLICIDADE

Enxadrista citada em "O Gâmbito da Rainha" processa Netflix

16 set 2021 17h23
ver comentários
Publicidade
Foto: Instagram/Chess Lab / Pipoca Moderna

A enxadrista Nona Gaprindashvili, uma das maiores campeãs do mundo nos anos 1970, está processando a Netflix por difamação por causa de "O Gâmbito da Rainha".

O motivo foi uma fala da série, que apresenta falsas informações em tom "sexista e de menosprezo" sobre sua carreira.

Indicada a 18 prêmios Emmy, "O Gambito da Rainha" se foca na trajetória da enxadrista fictícia Beth Harmon (Anya Taylor-Joy), órfã que eventualmente vence os principais mestres russos nos anos 1960, durante o auge da Guerra Fria.

No episódio final da produção, a fala de um comentarista de xadrez menciona Gaprindashvili ao compará-la com a personagem fictícia. "A única coisa incomum sobre ela [Harmon], realmente, é seu gênero. E mesmo isso não é único na Rússia. Há Nona Gaprindashvili, mas ela é a campeã mundial feminina e nunca enfrentou homens".

Segundo o processo aberto pela enxadrista georgiana, "a alegação de que Gaprindashvili 'nunca enfrentou homens' é manifestamente falsa, além de ser altamente nojenta, sexista e em tom de menosprezo". Ela afirma que, em 1968, quando o episódio se passa, ela já havia competido com pelo menos 59 homens enxadristas, incluindo 10 Grandes Mestres.

"A Netflix descaradamente mentiu sobre as conquistas de Gaprindashvili pelo propósito barato e cínico de 'elevar o drama' por fazer parecer que seu herói fictício conseguiu fazer o que nenhuma outra mulher, incluindo Gaprindashvili, havia feito", afirma a defesa da enxadrista. Gaprindashvili também se queixou de uma segunda questão adicional: a nacionalidade atribuída a ela, na série.

"Adicionando insulto à injúria, a Netflix ainda descreveu Gaprindashvili como russa, mesmo sabendo que ela é georgiana, e que os georgianos sofreram sob a dominação russa quando parte da União Soviética, e têm sido atacados e invadidos pela Rússia, desde então", completa a defesa da ex-campeã.

Em seu processo, Gaprindashvili pleiteia uma indenização mínima de US$ 5 milhões.

Além do dinheiro, ela quer que a fala seja retirada da produção da Netflix.

Manifestando-se em comunicado à imprensa dos EUA, a plataforma de streaming afirmou: "A Netflix tem o maior respeito pela senhora Gaprindashvili e sua ilustre carreira, mas acreditamos que essa queixa não tem mérito e vamos defender essa posição vigorosamente".

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade