0

Nintendo volta a registrar lucro e supera estimativas

26 jul 2017
13h36
atualizado às 13h37
  • separator
  • comentários

A japonesa Nintendo disse nesta quarta-feira que conseguiu registrar lucro no primeiro trimestre, superando as estimativas dos analistas, devido à forte demanda por seu console Switch.

Grandes expectativas em relação ao console impulsionaram o preço das ações da empresa em cerca de 60 por cento desde sua estreia em março. A Nintendo disse esperar que o Switch ajude a mais do que dobrar seu lucro operacional anual e a colocar fim a um declínio de oito anos nas vendas que persistiu ao lançamento anterior, o Wii U.

A companhia obteve 16,21 bilhões de ienes (144,95 milhões de dólares) de lucro operacional no trimestre encerrado em junho, ante prejuízo de 5,13 bilhões de ienes no ano anterior. As estimativas da Thomson Reuters e da Starmine SmartEstimate foram de 11,55 bilhões de ienes.

A marca japonesa reafirmou sua previsão de 65 milhões de ienes em lucro operacional para o ano encerrado em março, contra os 127,94 bilhões de ienes estimados por analistas da SmartEstimate. A empresa também manteve sua previsão de vendas do Switch em 10 milhões de unidades no ano.

A Nintendo vendeu 1,97 milhão de consoles Switch nos três meses até junho, elevando total acumulado para 4,7 milhões de unidades. A demanda foi tão grande que a empresa teve dificuldade para abastecer as lojas.

Os novos títulos para dispositivos móveis, como o Super Mario Run e o Fire Emblem, levaram a receita do primeiro trimestre de jogos para dispositivos móveis e mercadorias relacionadas a 9 bilhões de ienes, de 1,6 bilhão de ienes no mesmo período do ano anterior.

As ações da Nintendo fecharam em alta de 1,3 por cento nesta quarta-feira antes da divulgação dos resultados, em comparação com uma alta de 0,5 por cento no índice de referência Nikkei.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade