0

E3 2018: Bethesda promete sucessor de Skyrim e terá novo Fallout em 2018

Companhia também anunciou novas sequências para Doom e Wolfenstein e disse que já trabalha em jogos de 'nova geração', como o recém-anunciado Starfield, que se passa no espaço

11 jun 2018
14h22
  • separator
  • comentários

Em sua apresentação na E3 2018, a maior feira de games do mundo, a produtora Bethesda deixou os fãs de jogos com vontade de que o tempo ande mais rápido. Isso porque apesar de mostrar títulos interessantes para os próximos meses, como Fallout 76 e Wolfenstein: Youngblood, o que chamou a atenção mesmo na conferência da empresa, realizada neste domingo, 10, foram duas promessas para um futuro não tão próximo assim: Starfield, um novo jogo situado no espaço que foi descrito pelo executivo Todd Howard como "uma experiência de nova geração de consoles", e The Elder Scrolls VI, o sucessor de um dos mais aclamados games dos últimos tempos: The Elder Scrolls V: Skyrim.

Tanto um como o outro, porém, apareceram apenas de passagem durante a apresentação da empresa -- a ideia era mesmo deixar os fãs com água na boca. Os anúncios, porém, ofuscaram uma linha de jogos bastante interessante anunciada pela empresa, responsável por grandes games de tiro, RPG e horror dos últimos anos.

Alguns deles estarão de volta nos próximos meses: é o caso de Doom Eternal, sequência ao jogo de tiro de 2016, que chega em 2019, ou de Wolfenstein: Youngblood, continuação da saga do combatente B.J. Blakowicz. Agora, serão suas duas filhas gêmeas que vão enfrentar nazistas em uma Paris "alternativa" dos anos 1980 -- o jogo se passa em uma linha do tempo em que a Alemanha venceu a Segunda Guerra Mundial contra os Aliados.

O mesmo nível de surpresa não pode se dizer de Rage 2, continuação ao jogo dos anos 2000 -- além de já ter sido vazado por uma listagem do Walmart canadense há algumas semanas, o jogo não conseguiu surpreender em seu trailer, mostrando um cenário apocalíptico bastante genérico e jogabilidade confusa. Sai no segundo trimestre de 2019 para PS4, Xbox One e PC.

Radioativo. A maior parte do tempo da apresentação da Bethesda, porém, foi dedicada a Fallout 76, novo jogo da saga de RPG pós-apocalíptica criada pela empresa nos anos 1990.

Ele vai se passar alguns anos antes dos quatro games anteriores da franquia e, pela primeira vez, será uma experiência totalmente online -- algo que desagradou os fãs da série, conhecida por suas longas partidas "solitárias", para um único jogador desbravando um mundo após um desastre nuclear. O game chega em 14 de novembro para PS4, Xbox One e PC.

Além disso, a empresa também anunciou a chegada de Fallout Shelter, jogo que nasceu nos dispositivos móveis em 2015, aos videogames de mesa: no mesmo domingo, ele ganhou uma versão para Nintendo Switch e PlayStation 4.

Na mão e na voz. Outro destaque da apresentação foi The Elder Scrolls: Blades, um game baseado na série de RPG medieval e fantasiosa da empresa. Inicialmente, ele será lançado para dispositivos móveis com os sistemas iOS e Android, e em breve deve estar em outros dispositivos. "Queremos que Blades seja jogável em consoles, no PC e até mesmo em óculos de realidade virtual", disse Todd Howard.

Um dos destaques do jogo, ao menos nos celulares, é que ele poderá ser jogado tanto na posição horizontal quanto na vertical. "Você nunca sabe quando vai precisar jogar com uma mão só", disse Todd Howard, despertando risos da plateia. "É para segurar o café", complementou, antes de qualquer engraçadinho fazer outra piada.

Ainda no mesmo clima de piada, a Bethesda anunciou uma nova versão de Skyrim, possivelmente sua franquia mais conhecida dos últimos anos. Depois de ter sido lançada para PS3, Xbox 360, PS4, Xbox One, PC e Nintendo Switch, a franquia chegou agora ao assistente pessoal Alexa, da Amazon.

Com ela, será possível mandar comandos de voz para passar pelas batalhas do jogo, usando espadas ou tomando poções. Parecia apenas uma piada, mas horas após a apresentação a função foi oficialmente lançada na Amazon americana. Tem gente que não sabe o limite da brincadeira.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade