PUBLICIDADE

Crítica American Fiction | Com humor, filme expõe hipocrisias raciais literárias

Indicado ao Oscar 2024 de Melhor Filme, American Fiction expõe com bom humor hipocrisias raciais do mundo literário

29 fev 2024 - 19h09
(atualizado em 1/3/2024 às 01h48)
Compartilhar
Exibir comentários

Não é todo diretor de cinema que pode se gabar de ter seu primeiro trabalho indicado ao Oscar de Melhor Filme. Cord Jefferson, no entanto, é um desses profissionais, já que após uma extensa carreira na TV, o jornalista conseguiu emplacar seu primeiro filme, American Fiction, em nada menos do que cinco categorias do Oscar 2024.

Foto: Divulgação/Amazon MGM Studios / Canaltech

Indicado a Melhor Filme, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Ator (Jeffrey Wright), Melhor Ator Coadjuvante (Sterling K. Brown) e Melhor Trilha Sonora, American Fiction é a prova de que o cinema vai muito além de apenas grandes imagens e que um argumento bem desenvolvido também pode render um bom filme.

Os estereótipos do mercado literário

Baseado no livro Erasure, de Percival Everett, o título conta a história de Thelonious Ellison, ou simplesmente Monk, um escritor e professor bastante inteligente que há anos não consegue mais publicar livros. De acordo com seu agente, não é que Monk escreva mal, mas sim que suas obras "não são negras o suficiente" para o mercado literário.

Embora tenha textos profundos e bem escritos, Monk, um homem afro-americano, não é o tipo de escritor que escreve personagens negros caricatos. O que, segundo ele, são personagens com histórias sempre ligadas a uma tragédia, envolvendo criminalidade, escravidão ou assassinato pela polícia.

Embora saiba que muitas dessas histórias são reais, Monk está cansado de ver pessoas negras sendo reduzidas a isso. Ou, como ele mesmo diz, está cansado de "histórias para editores brancos que tem fetiches em traumas de negros".

American Fiction mistura drama com comédia satírica (Imagem: Divulgação/Amazon MGM Studios)
American Fiction mistura drama com comédia satírica (Imagem: Divulgação/Amazon MGM Studios)
Foto: Canaltech

Irritado com essa situação — e com a hipocrisia do mercado literário, que apenas premia autores negros que escrevem esse tipo de história —, o professor decide então escrever uma obra extremamente caricata, que provoque as editoras e exponha esses estereótipos.

O problema é que a piada, claro, tem o efeito contrário e Monk, que passa por complicados problemas familiares e precisa desesperadamente de dinheiro para custear o tratamento de sua mãe, recebe uma oferta milionária para publicar o livro.

Dividido, mesmo que sob um pseudônimo, entre ganhar os lucros daquele que ele considera o maior lixo que já escreveu em sua vida ou enganar as pessoas — que imaginam o autor como alguém muito diferente —, Monk se vê em um conflito de consciência, que o atormenta e o deixa cada vez mais indignado com a literatura americana.

Humor e drama se intercalam ao longo do filme

Filme também mostra os problemas pessoais e familiares vividos por Monk (Imagem: Divulgação/Amazon MGM Studios)
Filme também mostra os problemas pessoais e familiares vividos por Monk (Imagem: Divulgação/Amazon MGM Studios)
Foto: Canaltech

Com muito bom humor e diálogos incríveis (que acontecem tanto em momentos dramáticos do filme quanto em conversas absurdas travadas entre Monk e figuras do mercado literário), American Fiction satiriza essa situações e as "caixinhas" as quais os autores negros e seus personagens precisam se submeter.

Todos esses momentos irônicos do filme, no entanto, caminham lado a lado com a história pessoal e dramática do escritor, que aos poucos vai sendo apresentada para o público junto com seus familiares.

Integrante de uma família afro-americana única e bastante complicada, Monk vive sua própria tragédia familiar, muito diferente daquelas retratadas nos livros best-sellers. Ainda machucado pelo suicídio do pai, ele se vê tendo que lidar com a morte de um outro ente querido e, para piorar, precisando enfrentar as crises de Alzheimer da mãe e a "rebeldia" do irmão, que vive uma explosão de liberdade após se assumir gay.

Esse conjunto de problemas mexe muito com o escritor, que depois de anos afastado decide se reaproximar da família. E, naquela que é uma construção importante para que entendamos suas motivações, também passe a enxergar neles a pluralidade de gostos, histórias e experiências que ele busca em personagens negros da literatura.

Longa-metragem foi indicado a cinco estatueta do Oscar 2024 (Imagem: Divulgação/Amazon MGM Studios)
Longa-metragem foi indicado a cinco estatueta do Oscar 2024 (Imagem: Divulgação/Amazon MGM Studios)
Foto: Canaltech

Trama tem personagens complexos

Além da atuação impecável de Jeffrey Wright (Westworld), que dá vida a um Monk quase sempre carrancudo e irritado com tudo e todos, American Fiction conta ainda com um elenco de atores formidável, que traz vida e complexidade para seus personagens.

Adam Brody (The O.C. - Um estranho no Paraíso) e Erika Alexander (Living Single), em especial, dão um toque muito interessante à narrativa, embora John Ortiz (A Justiceira) e Issa Rae (Barbie) brilhem no papel do agente literário Arthur e da escritora de sucesso, Sintara Golden.

O grande destaque da trama, no entanto, vai mesmo para Sterling K. Brown (This Is Us), que faz jus a sua indicação de Melhor Ator Coadjuvante no Oscar e dá vida a Cliff, o irmão de Monk que acaba de terminar um casamento heterossexual, após se entender como um homem gay.

Complexo e cheio de camadas, Cliff está em um momento de mudanças, em que tenta aproveitar todos os "anos perdidos" de sua vida com uma sede implacável de liberdade. Essa transformação rende cenas preciosas, que pendem ora para o drama e ora para a comédia, mas soam sempre impecáveis na mão de Brown.

Sterling K. Brown é um dos destaques do elenco de American Fiction (Imagem: Divulgação/Amazon MGM Studios)
Sterling K. Brown é um dos destaques do elenco de American Fiction (Imagem: Divulgação/Amazon MGM Studios)
Foto: Canaltech

Divertido, satírico e com uma história que não está ali para entregar respostas, mas sim para lançar questionamentos, American Fiction é mesmo um dos melhores filmes de 2023 — como foi apontado pela American Film Institute.

Ainda que tenha um final de certa forma anticlimático, seu encerramento apenas acompanha a proposta da trama, que não está ali para se encaixar em qualquer "quadradinho", como acontece com os livros criticados por Monk, mas sim para provocar e fazer refletir.

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Publicidade