0

Série sobre Marielle Franco tem novas roteiristas

29 out 2020
23h20
atualizado às 23h26
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Instagram/Marielle Franco / Pipoca Moderna

A série de ficção sobre Marielle Franco tem novas escritoras. Duas semanas após quatro roteiristas demitirem-se do projeto, por divergências com orientações da narrativa, a produção da Globoplay definiu Mariana Jaspe e Maria Camargo como responsáveis por desenvolver a história.

Como o roteiro de nenhum capítulo tinha sido finalizado, elas vão começar do zero, seguindo as orientações da roteirista Antônia Pellegrino e do diretor José Padilha, idealizadores do projeto.

Mariana Jaspe e Maria Camargo já desenvolveram trabalhos anteriores na Globo. Juntas, acabam de escrever um épico escravagista baseado no livro "Um Defeito de Cor", de Ana Maria Gonçalves, que vai virar série em 2021 na emissora. Mais experiente, Maria Camargo criou as séries "Assédio" (2018) e "Dois Irmãos" (2017), colaborou nas novelas "Lado a Lado" (2012) e "Babilônia" (2015) e ainda assinou o roteiro do filme "Nise: O Coração da Loucura" (2015) e do documentário "Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer Parou" (2019).

Em comunicado, a Globo afirmou que "a chegada das duas à equipe é resultado da recomposição da sala de roteiro e de um processo de escuta que garantiu a representatividade da mulher negra também no grupo de liderança criativa do projeto".

"Marielle foi protagonista de sua própria história e será também a protagonista desta série. É por isso que me junto a este projeto: para contar a história de Marielle - pessoa e personagem - com a dignidade e a força que ela exige e merece", diz Mariana.

"Vamos somar forças e mergulhar juntas em busca da melhor forma de contar a história de Marielle, com o cuidado, a responsabilidade e a delicadeza que sua trajetória merece", complementa Maria.

Além dos produtores executivos Antonia Pellegrino e José Padilha, a série também terá Jeferson De ("Bróder") entre os diretores.

Desde que foi anunciada, a produção enfrenta questionamentos de representatividade. Vereadora pelo PSOL, Marielle Franco era negra, lésbica e feminista, e sempre militou por políticas de inclusão racial e social e contra as ações de extermínio da política em comunidades negras. O que a fez ser assassinada por milicianos.

Além de ser concebida por dois brancos, a produção enfrentou muitas críticas pelo envolvimento de José Padilha, responsável pelo filme "Tropa de Elite" (2007), visto como apologia à truculência policial, e a série "O Mecanismo" (2018), que glorificou a operação Lava Jato e o então juiz Sérgio Moro.

Por outro lado, Antonia Pellegrino é mulher do deputado federal Marcelo Freixo, do PSOL, mesmo partido de Marielle, além de amigo pessoal da ex-vereadora. Antonia é coautora de novelas da Globo - "Da Cor do Pecado" (2004) e "Aquele Beijo" (2011), entre outras - , além de ter escrito o roteiro do filme "Bruna Surfistinha" (2011).

Veja também:

Denzel Washington é nomeado melhor ator do século 21
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade