PUBLICIDADE

Nova versão de "Grande Sertão: Veredas" vai se passar numa favela contemporânea

21 set 2021 21h20
ver comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/Globo / Pipoca Moderna

A nova versão de "Grande Sertão: Veredas" vai se passar numa favela contemporânea. A revelação foi feita pelos responsáveis pela adaptação, os cineastas Jorge Furtado ("Sob Pressão"), que assina o roteiro, e Guel Arraes ("O Auto da Compadecida"), responsável pela direção, durante entrevista da dupla ao programa "Roda Viva", da TV Cultura.

A prosa clássica de Guimarães Rosa será transposta para um contexto de guerra urbana, e acontecerá numa comunidade batizada justamente como Grande Sertão.

Segundo Arraes, a tarefa mais difícil dessa adaptação é preservar a linguagem poética de Guimarães Rosa, por isso a favela do filme não será uma comunidade realista. "A ideia era criar um universo onde coubesse essa prosódia de tom operístico do Guimarães", explicou Arraes.

"É uma favela quase distópica, gigantesca, cercada por um grande muro, que parte do real, mas 'desrealiza' para que caiba essa linguagem no filme e pra que essa guerra urbana seja vista como uma 'Ilíada'", completa.

Eles não confirmaram o elenco, mas já circula em algumas colunas que Luísa Arraes, filha de Guel, e Caio Blat, seu marido, fariam Diadorim e Riobaldo, papéis que foram vividos por Bruna Lombardi e Tony Ramos na adaptação da Globo dos anos 1980, na minissérie "Grandes Sertões". Além deles, Rodrigo Lombardi, que recentemente gravou a minissérie "O Anjo de Hamburgo" no papel do próprio Guimarães Rosa, será Joca Ramiro, que chefiava os jagunços no romance original e entronizará uma espécie de líder justiceiro da comunidade da versão contemporânea.

Vale lembrar que, além da minissérie de 1985, a obra já foi levada ao cinema, num filme de 1965 dirigido pelos irmãos Geraldo e Roberto Santos Pereira.

Veja abaixo a íntegra do programa com a entrevista dos cineastas.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade