PUBLICIDADE

Noitão homenageia os filmes da série Pânico

Cine Petra Belas Artes exibe na madrugada os longas da franquia criada por Wes Craven

14 jan 2022 15h23
ver comentários
Publicidade

Para Wes - a dedicatória final homenageia o criador das séries A Hora do Pesadelo e Pânico. Wes Craven, guitarrista e professor de Ciências Humanas que se destacou como autor de fantasias de horror, criou personagens emblemáticos como Freddy Krueger e Ghostface. O primeiro irrompe no sono de adolescentes com sua face derretida e unhas afiadas; o segundo, protegido pelo abrigo preto e pela máscara de boca retorcida, é o rei das facadas. Stabs! Um, dois, três - tranquem as portas. Ghostface está de novo à solta. Craven morreu em 2015, mas o legado de sua série continua. Só para constar, o visual do assassino em série baseia-se na figura da famosa série de quadros expressionistas de Edvard Munch, O Grito, de 1893.

Nesta quinta, 13, estreou o quinto filme, o mais metalinguístico de todos. Na sequência do primeiro ataque, os personagens jovens da história são instados pelo ex-policial Dewey Riley/David Arquette a formar um grupo de discussão para debater os códigos de filmes slasher e de horror, e identificar o assassino mascarado. Whodunit - quem está matando? E por quê? A busca soma às novas vítimas preferenciais, as irmãs Sam e Tara, as 'veteranas' Sidney Prescott/Neve Campbell e Gale Weathers/Courteney Cox. Uma das regras básicas - olha o spoiler. Não confie em ninguém, muito menos em quem você ama. A quebra de confiança talvez seja o grande tema de toda a série. Nesse quinto episódio, mais até que nos anteriores, o humor é uma ferramenta tão importante como as redes sociais, que não apenas servem para comunicar, mas também para criar armadilhas mortais.

Aproveitando o apelo de Pânico para o público jovem, o Petra Belas Artes organiza nesta sexta, 14, um Noitão dedicado à franquia de Wes Craven. James Vanderbilt e Guy Busick são os diretores do novo filme, escrito pelo mesmo Kevin Williamson que foi parceiro de Craven no primeiro filme, lá atrás. Com a morte do diretor - ele fez os quatro primeiros filmes -, cabe ao roteirista reinventar(-se). Pânico 5 surge após o reboot de Halloween no ano passado. O horror tomou múltiplas formas nos últimos anos. Bonecos assassinos (Chucky), possuídos por entidades malignas (Annabelle), atividades paranormais, jogos mortais e o que talvez seja o mais perturbador de todos - A Freira, com seu romance pecaminoso e sinistro. Sinal dos tempos - Halloween Kills, 'the ultimate slasher', foi definido pela própria Jamie Lee Curtis como o mais intenso e brutal.

John Carpenter, que iniciou a série Halloween, tomou pancadas da crítica no seu começo, mas hoje é considerado ícone e um dos mais influentes autores dos anos 1980. A revista Total Film colhe depoimentos de diretores que reconhecem quanto devem a Craven - Edgar Wright, Rod Savage, David Gordon Green, Alice Lowe, etc. Face ao estado do mundo, Carpenter, entrevistado em agosto pela revista, revelou-se desgostoso com o estado do mundo e feliz com sua atual dedicação integral à música. No primeiro Noitão do ano, o Belas homenageia os 25 anos de Pânico - o filme foi lançado em 20 de dezembro de 1996 nos EUA.

Nas duas salas que deverão abrigar a programação - Villa-Lobos e Leon Cakoff -, o público poderá assistir na primeira a Pânico 1 e 2, e ao quinto filme. Na segunda, a programação contempla o Terror dos Mascarados. Começa com Pânico 5, prossegue com o primeiro Halloween, de 1978, e termina com um filme surpresa, que bem poderia ser Halloween Kills. Em sua crítica do filme, Total Film diz - 'Death becomes him', a morte torna-se ele, Michael Myers, mas poderia ser Ghostface. Preste atenção. Na era do empoderamento, e do #MeToo, Pânico 5 termina com suas mulheres armadas e poderosas. Até nisso a franquia faz história no cinema de gênero(s).

Estadão
Publicidade
Publicidade