PUBLICIDADE

Netflix enfrenta protesto de funcionários e da comunidade LGBTQIA+

20 out 2021 22h14
| atualizado em 21/10/2021 às 14h59
ver comentários
Publicidade
Foto: Unsplash/Syan Ghosh / Pipoca Moderna

A Netflix enfrentou uma mobilização de seus próprios funcionários e de ativistas da causa LGBTQIA+ nesta quarta (20/10), que se reuniram para protestar contra a exibição de um especial de comédia com piadas transfóbicas. Eles acusaram a plataforma de streaming de lucrar com conteúdo que incentiva o ódio contra a comunidade LGBTQIA+.

Os protestos surgiram após o lançamento do especial de comédia "Encerramento" (The Closer), estrelado por Dave Chappelle. Polemista politicamente incorreto, Chappelle costuma achar engraçado defender outros ofensores. Em 2019, ele atacou os criadores dos documentários que denunciaram os cantores Michael Jackson e R. Kelly por abusos. Além disso, uma mulher transexual citada numa piada de "Stick and Stones" (2019) suicidou-se dois meses após a chegada do programa ao streaming.

Mesmo com esse antecedente, ele voltou a fazer piadas às custas das pessoas trans. O motivo foi uma defesa de J.K. Rowling, criadora da franquia "Harry Potter" e transfóbica assumida. Em seu monólogo, o comediante fez diversas afirmações consideradas transfóbicas, além de reafirmar estereótipos de gêneros e dar declarações problemáticas.

Uma das líderes da manifestação desta quarta, B. Pagels-Minor, foi demitida da Netflix na semana passada, acusada de supostamente vazar informações confidenciais sobre o especial do humorista para a imprensa, o que ela nega. Ela leu uma carta do grupo de funcionários endereçado a Ted Sarandos, chefe de conteúdo da plataforma. "Acreditamos que esta empresa pode e deve fazer melhor em nossa busca para entreter o mundo e que o caminho a seguir deve incluir vozes mais diversificadas para evitar causar mais danos", diz um trecho do documento.

O próprio Sarandos admitiu ter falhado ao considerar o impacto do especial, em declaração feita na noite de terça, durante evento com acionistas. "Cometi um erro", ele assumiu. "Eu deveria ter primeiro reconhecido que um grupo de nossos funcionários estava sofrendo, e que eles estavam realmente feridos por uma decisão que tomamos na empresa", disse o executivo.

Foi a reação inicial de Sarandos aos protestos que levou ao confronto. Na semana passada, enquanto grupos LGBTQIA+ se manifestavam contra o especial, citando estudos que relacionavam piadas preconceituosas à agressões na vida real, o diretor de conteúdo divulgou um memorando interno que afirmava o contrário, que "o conteúdo na tela não se traduz diretamente em agressão no mundo real" e enfatizou a importância de defender "a liberdade artística".

Na ocasião, ele ainda alertou a equipe sênior da empresa de que "alguns talentos podem se juntar a terceiros para nos pedir para remover o especial nos próximos dias, o que não faremos".

Com o vazamento do memorando, vários artistas da comunidade LGBQIA+ se juntaram ao protesto, incluindo Elliot Page ("The Umbrella Academy"), Angelica Ross ("Pose"), Jonathan Van Ness ("Queer Eye"), Alexandra Billings ("Transparent"), Sara Ramirez ("Grey's Anatomy"), Colton Haynes ("Arrow"), Eureka O'Hara ("AJ and the Queen"), Jameela Jamil ("The Good Place"), TS Madison ("Zola"), Our Lady J ("Pose") e Joey Soloway ("United States of Tara").

Além disso, Jaclyn Moore, a showrunner da série "Cara Gente Branca" (Dear White People), encerrada em 22 de setembro, anunciou no Twitter que nunca mais trabalharia com a Netflix devido aos "comentários transfóbicos e perigosos" difundidos pelo especial.

Diante da escalada conflituosa, a Netflix emitiu um comunicado antes do protesto desta quarta.

"Respeitamos a decisão de qualquer funcionário que decide protestar e admitimos que temos muito mais trabalho pela frente na Netflix e em nosso conteúdo", informou a plataforma, ressaltando ainda que "compreende o profundo dano que causou".

A organizadora do protesto, Ashlee Marie Preston, disse que o objetivo da manifestação não foi apenas o especial, mas para demonstrar que qualquer piada preconceituosa pode ter um efeito danoso. "Estamos aqui hoje não porque não saibamos lidar com uma piada, mas porque nos preocupa que as piadas custem vidas. Não é engraçado", disse, em vídeo que viralizou nas redes sociais. Veja abaixo.

A drag Eureka O'Hara de "Ru Paul's Drag Race", foi outra que participou da manifestação e destacou: "Se você promove ódio e discriminação, é diretamente a causa".

A manifestação também atraiu vários fãs e defensores de Dave Chappelle, que apareceram com cartazes. "As piadas são engraçadas", diziam alguns deles.

https://pipocamoderna.com.br/wp-content/uploads/2021/10/bpagelsminor_246056318_921087391862828_4098066795263821801_n1.mp4
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade