PUBLICIDADE

Leandro Hassum se desculpa sem entender problema de "Amor sem Medida"

4 dez 2021 17h32
| atualizado às 17h44
ver comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/Netflix / Pipoca Moderna

O ator Leandro Hassum sentiu os comentários negativos de Juliana Paes sobre sua nova comédia, "Amor sem Medida", lançada pela Netflix há duas semanas. Ele emitiu um comunicado com um pedido de desculpas, dizendo não ter sido sua intenção causar dor. A iniciativa, porém, também deixou claro que ele não entendeu porque deveria se desculpar, mostrando sua ignorância em relação aos problemas do filme.

"Sinto muito de verdade, pois jamais quero, através dos meus filmes e arte, causar dor. Ao contrário, meu propósito sempre será divertir, entreter, pois acredito no humor agregador para a família toda", ele se manifestou em comunicado.

Em seguida, porém, passou a enaltecer a "mensagem" de "Amor sem Medida": "O filme conta uma história de amor, de pertencimento e de inclusão, valorizando as capacidades de seus personagens e repudiando qualquer preconceito, de qualquer espécie".

Por isso, o filme seria uma lição de moral: "Vivemos num mundo ainda distante do ideal, mas que vem caminhando no sentido de não dar espaço a nenhum tipo de preconceito, segregação ou exclusão. Esta foi a intenção, por meio da leveza do humor, abordar a importância de vivermos num mundo com mais amor e respeito, onde ser aceito e amado independe de características físicas".

Por considerar tudo isso, disse que ficou "com o coração doído por, de algum modo, não ter transmitido isso a Juliana Caldas". E concluiu, em tom paternalista: "Estou mais que aberto a acolhê-la com meu total carinho e respeito".

Na verdade, Hassum resumiu tudo o que há de errado no filme, já que "Amor sem Medida", um romance entre um anão e uma mulher estilo Juliana Paes (a própria Julia Paes), faz exatamente o contrário do que o comediante prega. Se ele não percebe é porque o capacitismo é um problema tão estrutural quanto o racismo na sociedade brasileira.

Afirmar ter feito "Amor Sem Medida" com boas intenções não muda o que realmente está na tela: uma ator normal interpretando um anão. Esta é a "black face" do capacitismo.

Juliana Caldas, que tem nanismo e ficou conhecida pelo papel de Estela Montserrat na novela "O Outro Lado do Paraíso" (2017), apontou o elefante na sala, lamentando a forma como o protagonista com deficiência foi retratado no filme, desde a falta de representatividade na escolha de Hassum até a enxurrada de piadas preconceituosas da produção, tudo em nome do que o comediante chama de "leveza do humor".

"Eu não me senti em momento nenhum do filme representada. Primeiro, porque a pessoa que faz o personagem que tem nanismo… O ator não tem nanismo, que é o próprio Leandro Hassum. Eles fizeram computação gráfica, diminuíram (o Hassum) em computação gráfica, essas coisas, para mostrar que ele tem baixa estatura. E, depois disso, a maior parte do filme tem piadas totalmente capacitistas, totalmente preconceituosas e que, cara… Não dá para aceitar hoje em dia!", apontou.

Segundo ela, o público não costuma questionar o humor capacitista, o que não acontece quando se trata de conteúdos racistas, homofóbicos ou gordofóbicos. "Quando a gente fala sobre o nanismo, a maior parte das vezes é nessa forma de piada. O nanismo é considerado uma deficiência. Não dá mais para aceitar rir disso hoje", explicou a atriz.

"Ele [Hassum] tenta fazer rir, mas eu não ri em nenhum momento. É cansativo ter que explicar o óbvio, o simples, explicar que, a partir do momento em que uma piada ou frase fere o outro, não é legal", finalizou Juliana, cobrando mais empatia dos produtores e do público.

Com seu comunicado, Hassum tentou encerrar o assunto com a desculpa das boas intenções, conseguindo esse resultado em 90% das publicações que reproduziram seu comunicado sem questionar ou entrar no contexto originalmente apontado por Caldas. A forma fria como o assunto foi tratado também reflete uma imprensa incapaz de sentir empatia, que se torna parte do problema por sua incapacidade de percebê-lo.

É importante ressaltar ainda que a opção de utilizar efeito visual para diminuir Hassum reflete outro problema da "black face" do nanismo. Ela representa exclusão e capacitismo no mercado de trabalho, já que impede a clara e rara possiblidade de escalar um ator à altura real do papel. Vale repetir tantas vezes quanto for necessário que Gigante Léo estrelou história parecida em "Altas Expectativas", comédia romântica que tratava de "amor sem medida" em 2017, portanto nem seria algo inédito no país.

"Amor sem Medida" é um remake do filme argentino "Coração de Leão - O Amor Não Tem Tamanho" (2013), que há oito anos usou o mesmo truque de encolhimento por computador com o ator Guillermo Francella. A adaptação brasileira foi dirigida por Ale McHaddo, que já tinha trabalhado com Hassum em "O Amor Dá Trabalho" (2019) e na série animada "Osmar, a Primeira Fatia do Pão de Forma" (2013-2015).

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade