PUBLICIDADE

Festival de San Sebastián consagra diretoras, atrizes e filmes femininos

26 set 2021 18h29
| atualizado às 18h34
ver comentários
Publicidade
Foto: Instagram/Festival de San Sebastián / Pipoca Moderna

O Festival de San Sebastián, que foi muito criticado neste ano por homenagear Johnny Depp, acusado de agressão à ex-mulher Amber Heard, acabou premiando praticamente apenas cineastas e temáticas femininas.

A cerimônia realizada na noite de sábado (25/9) consagrou o drama romeno "Blue Moon", estreia da diretora Alina Grigore, com a Concha de Ouro de Melhor Filme.

"Não esperava", disse, emocionada, Alina Grigore, diretora e atriz de 36 anos, ao receber o troféu e agradecer a "todas aquelas mulheres e homens que nos deram a oportunidade de levar nossa mensagem tão longe". Seu filme, sobre a fuga de uma jovem de sua família abusiva, foi a primeira Concha de Ouro conquistada por uma obra da Romênia, e superou a concorrência de cineastas tradicionais como o britânico Terence Davis, o francês Laurent Cantet, o americano Michael Showalter, o espanhol Paco Plaza e até o mestre chinês Zhang Yimou.

Apesar desse time estelar, a Concha de Prata de Melhor Direção também foi entregue para outra cineasta estreante, a dinamarquesa Tea Lindeburg, por "As in Heaven".

"Nunca ganhei nada na minha vida e conquistar este troféu é uma loucura", disse Lindeburg sobre o reconhecimento de sua obra, que acompanha uma adolescente do século 19 após um parto de sua mãe acabar em tragédia.

Este também foi o primeiro ano em que o troféu de interpretação perdeu a divisão de gêneros para supostamente consagrar apenas uma grande atuação. E contrariando as expectativas de que iniciativas do tipo prejudicariam mulheres, o júri optou por um empate. Não de um homem e uma mulher, mas de duas atrizes. A Concha de Prata de Atuação foi dividida por Ofelia Hofmann Lindahl, a jovem dinamarquesa protagonista de "As In Heaven", e a estrela americana Jessica Chastain, que interpretou uma televangelista famosa em "The Eyes of Tammy Faye".

Para completar, o Melhor Filme Latino foi "Noche de Fuego", de mais uma diretora, a salvadorenha-mexicana Tatiana Huezo, o troféu de Melhor Direção de Fotografia ficou com a cinematógrafa francesa Claire Mathon por "Undercover", e o filme "Earwig", da também francesa Lucile Hadzihalilovic, recebeu o Prêmio Especial do Festival.

Ao todo, apenas um homem foi premiado no festival espanhol: o veterano cineasta britânico Terence Davies, autor do Melhor Roteiro por "Benediction", cinebiografia do poeta satírico Siegfried Sassoon.

A proeminência feminina pode ter sido opção política, uma resposta do júri da 69ª edição da mostra, presidido pela diretora georgiana Dea Kulumbegashvili ("Beginning"), à deslocada homenagem feita a Johnny Depp. Mas a verdade é que reflete uma tendência mundial. No início do mês, o Festival de Veneza também privilegiou diretoras e temas femininos na entrega de seus troféus.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade