PUBLICIDADE

Duna bate recorde da Warner e chega a US$ 220 milhões mundiais

24 out 2021 16h08
| atualizado às 17h10
ver comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/Warner Bros. / Pipoca Moderna

"Duna" estreou em 1º lugar nos EUA e Canadá com US$ 40,1 milhões nas bilheterias, apesar de enfrentar a concorrência de si mesmo num lançamento simultâneo na HBO Max. O épico de ficção científica estreou em 4.125 cinemas na América do Norte, além de ser disponibilizado em streaming, uma prática adotada para todos os filmes da Warner Bros. em 2021 nos EUA.

Diferente do que vinha acontecendo com outros lançamentos híbridos do estúdio, o resultado superou expectativas. Foi o melhor desempenho de todos os filmes da Warner que seguiram este formato de distribuição - ou seja, teve a melhor estreia da Warner no ano - , superando com folga o antigo campeão, "Godzilla vs. Kong" (US$ 31,7 milhões).

O filme também rendeu a maior abertura norte-americana da carreira do diretor Dennis Villeneuve, deixando para trás os números de "Blade Runner 2049" (US$ 32,8 milhões).

Além dos EUA e Canadá, "Duna" chegou a outros países, em especial a China, local que rendeu US$ 21,6 milhões neste fim de semana. Juntando as bilheterias de outros mercados, inclusive do Brasil onde também estreou nos últimos dias, o valor internacional foi maior que o desempenho norte-americano, atingindo US$ 47,4 milhões de quinta a este domingo (24/10).

No exterior, o filme foi exibido apenas nos cinemas. E graças a uma estratégia da Warner para evitar a pirataria das cópias de alta qualidade da HBO Max, começou a ser distribuído com mais de um mês de antecedência em países chaves.

Por conta disso, a produção já tem US$ 180,6 milhões no mercado internacional, que, somada à arrecadação doméstica, eleva o faturamento total a US$ 220,2 milhões mundiais.

O problema para a Warner é que agora as tais cópias de alta qualidade já existem e o filme ainda tem um longo caminho a percorrer antes de recuperar seu orçamento de US$ 165 milhões e gastos adicionais com P&A (divulgação e publicidade). Para complicar, o longo tempo de projeção do filme, de 155 minutos, reduz o número de sessões diárias nos cinemas e, portanto, sua capacidade de gerar grande faturamento.

A favor da continuidade do sucesso estão as avaliações de público e crítica, com notas A- no CinemaScore e 83% de provação no Rotten Tomatoes.

Em 2º lugar nas bilheterias da América do Norte, "Halloween Kills" somou mais US$ 14,5 milhões no fim de semana para atingir US$ 73,1 milhões na América do Norte e US$ 90,9 milhões mundiais.

Na 3ª posição, "007 - Sem Tempo para Morrer" comemorou a ultrapassagem dos US$ 500 milhões de arrecadação global, ao atingir um total de US$ 525,4 milhões mundiais - dos quais US$ 120 milhões correspondem ao mercado interno.

O 4º colocado, "Venom: Tempo de Carnificina", também comemorou uma marca importante, ao ultrapassar US$ 350 milhões globalmente com uma contabilidade doméstica de US$ 181,8 milhões e US$ 170,6 milhões no exterior.

O Top 5 se fecha com a segunda estreia da semana. Ao enfrentar "Duna" e os blockbusters remanescentes nas bilheterias, a animação "Ron Bugado", produção do 20th Century Studios distribuída pela Disney, fez apenas US$ 7 milhões em sua estreia norte-americana, o que foi considerado decepcionante diante dos elogios da crítica e até mesmo da avaliação positiva do público que assistiu - 81% de aprovação no Rotten Tomatoes e nota A no CinemaScore.

Para completar, o fim de semana ainda registrou um recorde no circuito limitado norte-americano, graças à estreia de "A Crônica Francesa" (The French Dispatch). O filme de Wes Anderson obteve a maior média de ingressos vendidos da era pandêmica, com uma arrecadação estimada em US$ 25 mil por sala de exibição. Exibido em apenas 52 salas, fez US$ 1,3 milhão e, de forma impressionante para a sua baixa quantidade de telas, conseguiu se posicionar no 9º lugar do ranking.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade