5 eventos ao vivo

Disney+ denuncia racismo nos clássicos Peter Pan e Aristogatas

15 out 2020
20h59
atualizado às 21h05
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Guia da Cozinha - Receitas com folhas verdes para ir além da salada
Guia da Cozinha - Receitas com folhas verdes para ir além da salada
Foto: Pipoca Moderna

A Disney+ decidiu aumentar o alcance de suas advertências sobre o conteúdo ultrapassado de seu acervo. Duas novas animações clássicas passaram nesta semana a vir acompanhadas de avisos para os assinantes saberem que alguns de seus conceitos podem ser considerados ofensivos para as sensibilidades atuais.

Os novos longas animados identificados como racistas são "Peter Pan", de 1953, e "Os Aristogatas", de 1970. Quem optar por assisti-los encontrará o seguinte alerta: "Este programa inclui representações negativas e/ou maus-tratos a pessoas ou culturas."

Como exemplos, a Disney cita um gato "descrito como uma caricatura racista de povos do Leste Asiático com traços estereotipados exagerados, como olhos puxados e dentes salientes" em "Os Aristogatas", e os estereótipos de representação dos povos indígenas em "Peter Pan", que aparecem "falando em uma linguagem ininteligível e repetidamente se referindo a eles como 'peles vermelhas', um termo ofensivo. Peter e os garotos perdidos dançam, usam cocares e se comportam de forma exagerada, numa zombaria e apropriação da cultura e imagens dos povos indígenas."

Denúncias similares já tinham sido feitas sobre as versões de streaming do filme live-action "A Cidadela dos Robinson" (1960) e dos desenhos de "Dumbo" (1941) e "A Dama e o Vagabundo" (1955), que receberam avisos de conteúdo problemático por recomendação de um conselho consultivo formado por grupos diversos, como a Associação de Críticos de Cinema Afro-Americano e a GLAAD, organização dedicada à representação LGBTQ+ na mídia.

No caso de "Dumbo", o problema era o racismo manifestado na animação de um grupo de corvos liderado por um personagem denominado Jim. O nome Jim Crow (Jim Corvo), no entanto, é emprestado de um popular personagem do século 19, usado para fazer piadas caricatas e assumidamente racistas sobre pessoas negras. Mais tarde, também foi usado nos EUA para definir um conjunto de leis de segregação, que só foram revogadas décadas depois do lançamento de "Dumbo", com o avanço da luta pelos direitos civis nos EUA. Além disso, os corvos se comportavam como estereótipos racistas de pessoas negras.

Em "A Dama e o Vagabundo", o preconceito se manifesta na presença dos gatos siameses que atormentam a cachorra Dama, ao som de uma música que reflete uma visão racista da cultura asiática.

Do mesmo modo, "A Cidadela dos Robinson" apresentava os piratas, vilões da história, como uma "ameaça estrangeira" com os rostos pintados de amarelo.

Para completar, o estúdio ainda vetou completamente a disponibilização de "A Canção do Sul" (1946) em streaming, considerado irredimível por seu racismo indisfarçável.

Desde seu lançamento nos EUA, em novembro passado, a plataforma vem colocando avisos sobre "representações culturais desatualizadas" em seus títulos, mas os alertas mais recentes vão mais longe, ao frisar que se tratam de representações racistas e culturalmente insensíveis.

"Esses estereótipos estavam errados na época e estão errados agora. Em vez de remover esse conteúdo, queremos reconhecer seu impacto prejudicial, aprender com eles e iniciar conversas para criarmos juntos um futuro mais inclusivo. A Disney está comprometida em criar histórias com temas inspiradores e edificantes que refletem a rica diversidade da experiência humana em todo o mundo", diz o estúdio em comunicado.

Outra mudança no enfrentamento dos problemas é que os avisos anteriores do Disney+ apareciam apenas na página com detalhes do conteúdo dos títulos. As versões atualizadas agora podem ser visualizadas nas páginas de detalhes e também nos fluxos de conteúdo.

Estes alertas também deverão estar presentes na versão nacional da plataforma, que será lançada no Brasil em 17 de novembro.

Veja também:

Kate Winslet lamenta ter trabalhado com Polanski e Allen
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade