PUBLICIDADE

Com 'Rio, Eu Te Amo', atriz tem chance de ser "embaixadora do Vidigal"

Nascida e criada na comunidade da zona sul do Rio, Roberta Rodrigues viverá personagem no longa justamente no cenário escolhido a dedo pelo diretor sul-coreano Im Sang-Soon

6 ago 2013 10h20
| atualizado às 10h54
ver comentários
Publicidade
<p>Diretores, produtores e elenco do longa-metragem 'Rio, Eu Te amo' participaram de coletiva de imprensa realizada no Theatro Municipal, no Rio de Janeiro, na segunda-feira (5). </p>
Diretores, produtores e elenco do longa-metragem 'Rio, Eu Te amo' participaram de coletiva de imprensa realizada no Theatro Municipal, no Rio de Janeiro, na segunda-feira (5).
Foto: André Muzell/Alex Palarea / AgNews

Se Roberta Rodrigues está longe de ser a periguete-mor do complexo do Alemão, “por mais que eu goste de usar short e blusinha”, e também não é daquelas que toma sol na laje e arruma um barraco a cada capítulo, como ficou marcado em sua personagem Maria Vanúbia da novela global Salve Jorge, ela é nascida e criada no morro. Mais especificamente no Vidigal, comunidade da zona sul do Rio, e o cenário escolhido pelo sul-coreano Im Sang-Soon como pano de fundo do seu episódio em Rio, Eu Te Amo (lançamento em 2014).

Por mais que a composição de vários diretores dentro do longa-metragem (a franquia Cities of Love já teve Paris e Nova York como cenários) proporcione para Roberta algo em torno de sete minutos, ao lado do consagrado Tonico Pereira, ela terá duas oportunidades únicas nesta chance nas telonas: ter contato com um diretor internacional, que já concorreu à Palma de Ouro em Cannes em duas oportunidades, com A Empregada e O Gosto do Dinheiro, e ser uma espécie de embaixadora do local onde vive até hoje, e tem suas raízes bem fincadas.

“Eu sempre represento minha comunidade. Sou nascida e criada ali. Eu vivencio tudo aquilo. Eu desço, e vou comprar pão de pijama. Minha vida é ali, meus amigos estão ali e família está ali. Minha responsabilidade é desde quando eu vim ao mundo”, disse aos jornalistas no encontro de início das filmagens, e ciente de que sua responsabilidade teórica está no dia a dia, nas suas atitudes como representante da comunidade.

Ao lado dos companheiros de profissão, os também atores e globais Thiago Martins e Marcelo Melo Jr., Rodrigues entende que filmar um longa internacional no Vidigal “é uma oportunidade única de mostrar meu lugar ao mundo”. No entanto, ela deixa claro que o retrato de quem vive numa comunidade carente tem relevância maior, na sua opinião, do que o cenário mágico da orla carioca vista do topo do morro.

“A gente precisa mostrar isso ao mundo para as pessoas saberem que você conviver na comunidade não é como a mídia vende, que é um lugar com violência, que não é bom de se viver”, criticou. “Muita gente fica ostrando o lado ruim, quando a gente sabe que 1% das pessoas é que não teve acesso e oportunidade melhor”, completou.

Mesmo como uma das protagonistas da última novela da autora Glória Perez, Roberta Rodrigues, a exemplo de Thiago e Marcelo, também continua vivendo na comunidade vizinha ao bairro do Leblon, metro quadrado mais caro do Brasil, mesmo com uma agenda que continua intensa, com shows junto de sua banda, Melanina Carioca.

“Não parei desde que acabei a novela, e é o que eu amo, não consigo ficar parada em casa. Tenho esse privilégio de trabalhar música com atuação, é unir o útil ao agradável”, confessou Roberta, que desde que terminou as gravações de Salve Jorge, tenta se desvencilhar da marcante personagem Maria Vanúbia.

"Quando acabou fiquei pensando como me desprender dessa mulher, foi algo muito forte. Confesso que eu tenho todo um cuidado ao colocar um short ou blusinha, pois vai todo mundo remeter à Maria Vanúbia. Mas eu, nascida e criada no morro, gosto de andar assim. Eu não sigo moda, eu me sigo, depende do meu humor. Às vezes, as pessoas confundem”, finalizou.

 

 

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade