PUBLICIDADE

Carla Camurati faz filme para contar aos jovens a história recente do Brasil

Nascido de um sonho da diretora de 'Carlota Joaquina, '8 Presidentes 1 Juramento' começa na redemocratização e vem até os dias de hoje

22 nov 2021 20h10
ver comentários
Publicidade

Mãe do Antônio, de 18 anos - seu filho com o também cineasta João Jardim -, Carla Camurati conta que vive cercada de jovens. Seu filho e os amigos estão comprometidos com muitas pautas, mas ela identifica, por parte deles, uma falta de conhecimento da história recente do Brasil, das condições que levaram ao golpe militar de 1964, e o depois. "Informar a essa geração, nutrir um debate certamente foi uma das condições que me levaram a fazer 8 Presidentes 1 Juramento." Mas essa, ela admite, é só metade da equação. "Gosto muito de História, senão não teria feito Carlota Joaquina."

Quando foi isso? Em 1995, Carla era conhecida principalmente como atriz. Havia filmado com diretores relevantes. Veio o governo de Fernando Collor, o confisco, o desmantelamento das instituições ligadas à cultura, e não apenas. O cinema brasileiro sumiu do mapa. Começou a surgir - a Retomada - quando ela pegou seu longa sobre a mulher de Dom João VI, a princesa do Brasil, e percorreu o país restaurando todo um circuito de exibição que estava fechado para a produção nacional. Graças a esse trabalho de formiguinha, fez verão. Carlota atingiu a marca de 1 milhão de espectadores. Viabilizou o cinema brasileiro, de novo.

A História de que Carla gosta reúne fatos e emoções. E é uma história do tempo presente. Aliás, durante toda a produção 8 Presidentes chamava-se A História de Um Tempo Presente. Os presidentes, e o juramento, surgiram durante montagem, quando o filme já estava pronto. Um documentário, até aqui ela fazia ficção. "Um e outra colocam problemas de linguagem. Como vou contar essa história?" Ela manteve o subtítulo. 8 Presidentes 1 Juramento - A História de Um Tempo Presente. O longa de 2h20min estreou nesta quinta, 18. Vem somar-se a filmes brasileiros em cartaz e que confrontam o público com o espectro político. O Marighella de Wagner Moura virou fenômeno e já atingiu 250 mil espectadores. Curral, de Marcelo Brennand, começa a ser descoberto pelos espectadores. E chega a Carla.

O filme dela começa com as Diretas-Já - Zezé Motta naquele palanque, cantando Senhora Liberdade, "Abre as asas sobre nós" -, prossegue com a Constituinte, e o Dr. Ulysses. "Criticá-la, sim, reformá-la, sim, afrontá-la, jamais!" Desde então, o Brasil teve todos aqueles presidentes - Tancredo Neves, o que não foi, José Sarney, Fernando Collor, Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff, Michel Temer e agora Jair Bolsonaro. Todos fizeram o juramento. Honrar a Constituição, promover o bem-estar do povo brasileiro. O filme meio que se interroga sobre o que restou do juramento de cada um. Carla admite que foi um trabalho insano, mas que teve imenso prazer em fazer. "Sou feliz com o que faço."

O filme começou a nascer após seu envolvimento nos Jogos Olímpicos do Rio, e graças a um prêmio que recebeu, como produtora, pela bilheteria de Getúlio, do ex-marido, João Jardim. "Um dia acordei e tinha tido um sonho. Sonhei com o filme que queria fazer. Me veio com o conceito todo. Zero entrevistas, nenhuma cabeça falante, e materiais colhidos de diversas fontes." Essa riqueza e diversidade das fontes - das mídias, das opiniões expressas - levaram inclusive a um letreiro de advertência. "Parte desse material está sendo usado pela importância histórica, e a despeito de não possuir qualidade técnica."

Limpar não apenas a imagem, mas o som. Carla sabe que o filme tem a cara dela, e é crítico com várias figuras, mas há uma aparência, se é que se pode dizer assim, de neutralidade. "Coleto e reúno as informações, mas não é um filme para espectadores passivos. É para gente inquieta, a minha plateia de jovens e adultos pensantes."

Ao coletar tantas fontes, ela também sabe que está contando uma história da comunicação. Começa lá atrás com o filme de película e chega, no processo de impeachment, aos memes e à manipulação das redes sociais por Bolsonaro e seus formadores de opinião.

Carla já foi acusada de exagerar no tempo que dedica ao Mensalão e de não ser suficientemente crítica com Bolsonaro, mas são pontos de vista. O Mensalão introduz a República de Curitiba e a Lava-Jato não sai ilesa. Imagens antigas sinalizam para o personagem em que o atual presidente se converteu. Uma perguntinha final - e a Carla atriz, quando a veremos? "Gosto do que faço, mas não tem essa coisa de que não vou mais atuar. Aguardo a proposta que seja interessante."

Estadão
Publicidade
Publicidade