0

Betty Gilpin fala sobre o desafio de estrelar o filme 'A Caçada'

Produção é uma sátira sombria na qual um grupo de conservadores é sequestrado e caçado por liberais sádicos, só por esporte

24 mar 2020
08h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Antes que o público tivesse chance de vê-lo, A Caçada estreou nos cinemas na sexta-feira como um dos filmes mais controversos do ano. Trata-se de uma sátira sombria na qual um grupo de conservadores é sequestrado e caçado por liberais sádicos, só por esporte. O filme estava programado para ser lançado pela Universal em setembro do ano passado. Mas o estúdio suspendeu a campanha publicitária de A Caçada, depois de tiroteios em massa em Ohio, Califórnia e Texas.

Escrito por Damon Lindelof e Nick Cuse e dirigido por Craig Zobel, a película recebeu críticas de especialistas políticos e espectadores, que acharam que a história estava zombando dos americanos dos Estados predominantemente republicanos. O presidente Donald Trump pareceu condenar o filme em tuítes que não citavam A Caçada, mas se referiam a um filme que, segundo ele, fora "feito para inflamar os ânimos e gerar caos".

Em agosto, a Universal cancelou o filme, mas depois reconsiderou e resolveu lançá-lo em 13 de março. Quando o lançamento foi suspenso pela pandemia e pelo fechamento generalizado das salas de cinema, a distribuidora ofereceu A Caçada em canais on-demand.

Essa imprevisível cadeia de eventos foi um choque para Betty Gilpin, protagonista no papel de Crystal, uma engenhosa sulista determinada a lutar para fugir do misterioso campo de batalha. Gilpin, estrela das séries GLOW e Nurse Jackie, nunca imaginou que o filme fosse considerado polêmico. Gilpin falou sobre seus motivos para fazer A Caçada e sobre sua reação ao veemente debate que precedeu seu lançamento. Aqui vão alguns trechos editados da conversa.

Como surgiu a oportunidade de fazer A Caçada?

Eu trabalhei com Craig Zobel em American Gods, e quando Craig disse: "Quero que você estrele esse filme", respondi: "Não é bem assim que funciona a relação entre filmes e atores". É como a primeira vez que você recebe um cartão de crédito e eles perguntam: "Qual é a sua pontuação de crédito?". Enfim, li o roteiro e me apaixonei por ele.

Qual a mensagem do filme?

É uma sátira do nosso tempo, em que estamos nos afastando cada vez mais da política e, culturalmente, em que as paredes de nossas respectivas bolhas estão se transformando em aço, ficando mais difícil passar de um lado para o outro. Era para ser um filme sobre aquele parente que não consegue olhar nos olhos no Dia de Ação de Graças, era para você sentar-se do lado dele e rir um do outro.

Como foi sua educação política?

Venho de uma família liberal. Sei muito bem que minha bolha não reflete o resto do país. É importante fazer filmes em que se foge de tudo. Mas também acho que será um erro evitarmos fazer perguntas desconfortáveis, porque os cinema deveriam ser o último lugar onde assistimos à mesma coisa.

Como se sentiu quando a Universal decidiu suspender a campanha de marketing do filme?

Se isso tivesse acontecido quando eu tinha 19 anos, teriam que me levar para o hospital. Mas, aos 33, já sei que nenhuma fada-madrinha vai resolver todos os meus problemas. Metaforicamente falando, parecia que eu era uma professora de biologia que estava fazendo o experimento do vulcão de papel machê e bicarbonato de sódio e, pela janela atrás de mim, dava para ver um vulcão de verdade explodindo. Agora, precisamos aprender com esses vulcões, mas talvez seja melhor esperar a lava esfriar.

Quando você viu A Caçada virar um para-raio político, teve vontade de dizer às pessoas que elas estavam sendo injustas?

A melhor maneira de decidir se gosto de um filme é assisti-lo, mas não sabia se entrar na briga poderia ajudar em alguma coisa. Não sabia se, daqui a uns anos, o filme passaria no boteco da esquina. Não tínhamos ideia do que aconteceria.

Como você se sentiu quando soube que o filme seria cancelado?

A célula mais maligna do meu cérebro ficou pensando: "Vou ter 80 anos e ainda tentarei convencer o entregador a entrar na minha casa para mostrar as fotos da produção do meu filme cancelado, chorando no ombro dele?". Não, não estou interessada nessa narrativa. Uns dias depois do cancelamento do filme, meu cachorro morreu. E isso me pareceu muito mais significativo do que qualquer tipo de aborrecimento com minhas estrelas no IMDb.

Agora que A Caçada está estreando, você ainda tem o mesmo entusiasmo do começo?

A indústria do entretenimento se apoia na ideia de que, se você continuar correndo, vai chegar ao Éden - um paraíso onde continua tentando ser a versão mais magra e jovem de si mesma - e na ilusão de que é o próximo papel que vai abrir essa porta. Quanto mais cedo todos concordarmos que é uma falácia, mais interessante será todo o nosso trabalho, acho. De certa forma, esse cancelamento interrompeu um período de mais de cinco anos de perseguição a uma coisa que não existe. Na verdade, a jornada é mais importante do que a chegada.

Você está prestes a gravar a última temporada de GLOW. Como é chegar ao fim da série?

É um sentimento agridoce. Talvez as pessoas se sintam assim com a família, porque você está perto de pessoas que a conhecem. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Veja também:

Denzel Washington é nomeado melhor ator do século 21
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade