8 eventos ao vivo

Pantera Negra: Você sabia que Wesley Snipes quase fez um filme do herói nos anos 90?

Personagem vai ganhar sua primeira versão solo nas telonas na próxima quinta-feira.

13 fev 2018
13h43
atualizado em 14/2/2018 às 12h52
  • separator
  • comentários

Antes de Chadwick Boseman assumir o papel de Pantera Negra, Wesley Snipes pensou em vestir o traje do super-herói da Marvel. Você sabia disso?

Foto: AdoroCinema / AdoroCinema

Eram os anos 1990 e Snipes estava com a carreira em ascensão com Passageiro 57, Sol Nascente e O Demolidor. A Marvel estava mal das pernas, lançando filmes fracassados como Howard, O Super-herói; O Justiceiro de Dolph Lundgren, e O Quarteto Fantástico de 1994, que nunca viu a luz do sol. Enquanto isso, sua concorrente, a Warner Bros., prosperava com produções da DC Comics, entre elas, a franquia do Superman, estrelada por Christopher Reeve, e o Batman de Tim Burton.

Conversando com o The Hollywood Reporter, Wesley Snipes revelou detalhes sobre como quase interpretou T'Challa, o Rei de Wakanda, detentor dos poderes do Pantera Negra. E comentou por que o filme do personagem nunca chegou a se concretizar, apesar de seus esforços e visão ambiciosa, que muito refletia o que o personagem se tornou.


Snipes como T'Challa

A ideia surgiu quando Snipes e seu então agente, Doug Robertson, foram abordados pela Marvel para o projeto. "Acho que Pantera Negra falou comigo porque ele era nobre, e era a antítese dos estereótipos apresentados e retratados sobre os africanos, a história africana e os grandes reinos da África", disse Snipes. "Tinha significado cultural, significado social. Era algo que a comunidade negra e a comunidade branca não tinham visto antes."

Nem é preciso dizer que o ator foi fisgado na hora, não é mesmo?

O que ele queria trazer para o herói

Mais do que seu próximo filme em uma lista de sucessos, Snipes via Pantera Negra como um movimento cultural. Afinal, criado em 1966 por Stan Lee e Jack Kirby, Pantera Negra revolucionou como o primeiro super-herói africano nos quadrinhos tradicionais.

"Muitas pessoas não sabem que houve períodos fantásticos e gloriosos de impérios africanos e realeza africana — Mansa Musa [líder do Império do Mali da África Ocidental] e alguns dos homens mais ricos do mundo em comparação com a riqueza de hoje", Snipes explicou. "Isso sempre foi muito, muito atraente. E adorei a idéia da tecnologia avançada. Achei que era um pensamento muito avançado."

O rei e protetor de Wakanda, poderoso e badass , tinha tudo: força-física, inteligência, riqueza e tecnologias avançadas.

"Pantera Negra é um personagem icônico com o qual grande parte do mundo não estava familiarizado e as comunidades nas quais eu cresci adorariam", afirmou Snipes. "Olhe, desde os dias de William Marshall interpretando Blacula, o Vampiro Negro nos anos 1970 e no fervor que você encontrava dentro das comunidades negra e hispânica, nunca passou pela minha cabeça que o público não apoiaria isso".


Blacula.

Divergência de opiniões

Stan Lee aprovava o projeto Pantera Negra estrelado por Snipes na época. Mas nem todo mundo estava na mesma página que ele.

O ator queria fazer uma produção sobre o super-herói, mas os que não conheciam o personagem acreditavam que Snipes queria estrelar um filme sobre os revolucionários dos direitos civis dos anos 1960. "Eles acham que queremos sair com uma boina e roupas pretas e depois fazer um filme", ele afirmou, exausto.

Ainda assim, a produção foi para frente. Wesley Snipes acrescentou que eles passaram por cerca de três roteiros diferentes e potenciais diretores, incluindo Mario Van Peebles (New Jack City - A Gangue Brutal, Empire) e John Singleton (Os Donos da Rua, + Velozes + Furiosos), com quem o ator teve uma reunião.


"Eu falei para ele sobre minha visão do filme estar mais perto do que você vê agora: todo o mundo da África sendo uma sociedade oculta, altamente tecnologicamente avançada, coberta por um campo de força, Vibranium", começou o Snipes. "John ficou, tipo, 'Não! Ha! Ha! Veja, ele tem o espírito da Pantera Negra, mas ele está tentando fazer com que seu filho se una à organização [dos ativistas de direitos civis]. E ele e seu filho têm um problema, e eles têm alguma briga porque ele está tentando ser politicamente correto e o filho quer agir estupidamente'."

Rindo, Snipes continuou: "Em última instância, John queria levar o personagem e colocá-lo no movimento dos direitos civis. E eu fiquei como: 'Cara! Onde estão os brinquedos?! Eles são altamente tecnológicos, e será fantástico ver a África sob essa luz oposta à forma como a África é tipicamente retratada'. Eu queria ver a glória e a beleza da África. A joia da África. [...] Eu amo John, mas estou tão feliz por não termos ido por esse caminho, porque essa teria sido a coisa errada para um projeto tão rico".

Outro roteirista tinha uma outra ideia, que chamou a atenção do então editor-chefe da Marvel, Tom DeFalco. Terry Hayes (Mad Max 2 - A Caçada Continua) lançara esse incrível esboço de um filme que começava com uma batalha em Wakanda, com o bebê T'Challa sendo colocado em uma cesta em um rio para ser salvo. Anos depois, T'Challa já é um homem adulto que vive em outro lugar, seguindo com sua vida. De repente, ele é atacado em um elevador em uma cena de luta elaboradamente coreografada — e a história continua a partir daí.

Os problemas que fizeram Snipes desistir do projeto


Entretanto, apesar dos esforços de Snipes e DeFalco, o projeto foi paralisado. "No fim, não conseguimos encontrar a combinação certa de roteiro e diretor e também, na época, estávamos tão à frente no pensamento que a tecnologia não existia para fazer o que eles já tinham criado nos quadrinhos", comentou Snipes.

Sem contar que, além das divergências criativas, Snipes sofria com a ideia do figurino do Pantera Negra.

"Pensei que seria um collant", afirmou ele. "Um collant com talvez algumas pequenas orelhas de gato sobre ele. Eu teria que estar em forma e apenas encorpar. Eu nunca imaginei nada mais do que um collant no momento, com o qual eu não teria problemas porque comecei como dançarino."

Se não tem Pantera, caça com Vampiro

Wesley Snipes não desistiu do mundo dos heróis. Ao invés de abaixar a cabeça, o ator pegou o que aprendeu em Pantera Negra e aplicou no seu próximo projeto de super-herói: Blade, o Caçador de Vampiros.


Snipes como Blade.

Inspirado no personagem do caçador de vampiros criado em julho de 1973 por Marv Wolfman e Gene Colan, Blade se tornaria um dos primeiros filmes de sucesso baseado em uma propriedade da Marvel, dando à empresa uma vitória tão necessária que a afastou de uma possível falência. Blade ganhou US$ 131 milhões em todo o mundo para o New Line Cinema e gerou duas sequências, ajudando a abrir caminho para outros hits da Marvel X-Men - O Filme (2000), pela Fox, e Homem-Aranha (2002), pela Sony.

O novo Pantera Negra

Apesar de não ter conseguido sua chance de interpretar T'Challa, Wesley Snipes é mais do que a favor do filme estrelado por Chadwick Boseman.

"Mesmo que eu não faça parte desse projeto particular, eu o apoio em 1000%, e estou absolutamente convencido de que será um catalisador para a mudança e abrirá outras portas e outras oportunidades", afirmou Snipes. "E nós precisamos desse tipo de diversidade e sabor diferente agora. [Boseman] é um ator jovem e talentoso, e acho que vai fazer [o personagem] próprio dele. Espero que eles lhe deem uma ótima oportunidade para realmente entrar na plenitude do personagem".


Pantera Negra (2018).

Já sobre voltar às origens de super-herói, Snipes continua disposto:

"Estou muito aberto a todas as possibilidades. Se Blade 4 vier, essa é uma conversa que podemos ter. E há outros personagens no universo Marvel que, se quiserem me convidar para brincar, também estou pensando nisso. Acho que os fãs têm fome para eu revisar o personagem Blade, de modo que poderia limitar onde eles me colocariam como outro personagem nesse universo."

Pantera Negra , nova produção do Universo Cinematográfico Marvel, dirigido por Ryan Coogler, tem estreia marcada para o dia 15 de fevereiro.

AdoroCinema

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade