0

O Grito: Conheça o diretor da nova versão

Com estreia marcada para esta quinta-feira, O Grito é dirigido por Nicolas Pesce.

11 fev 2020
19h01
atualizado em 12/2/2020 às 10h49
  • separator
  • 0
  • comentários

16 anos após o lançamento da primeira refilmagem americana de Ju-on, a nova versão de O Grito promete ser a mais perturbadora. Pelo menos é o que conta o diretor da obra, Nicolas Pesce. Em entrevista à revista SFX, o cineasta afirmou que a sua reimaginação do clássico do terror japonês terá mais cenas assustadoras do que normalmente se vê no gênero de horror.

Esta é uma afirmação ambiciosa, principalmente por O Grito ser apenas o terceiro filme de Nicolas. Entretanto, se nos basearmos em suas obras anteriores, podemos perceber que o diretor tem duas características recorrentes em seus longas: violência extrema e estilização inusitada. No terror, estes são traços que podem garantir uma experiência amedrontadora.

Um exemplo disso é Clímax, de Gaspar Noé. Apesar de ter uma narrativa simples, sobre dançarinos que consomem drogas involuntariamente em uma festa, o espectador ainda pode se sentir sufocado, já que o filme tem longos planos sequências que tornam o ritmo atordoante.

Este fator, combinado à situações cruéis e ambientações claustrofóbicas, transformam um conto simples em uma jornada cinematográfica subversiva. E é justamente essa abordagem narrativamente simples e visualmente agressiva que pode ser vista nas obras de Nicolas.

Nicolas Pesce: Qual é a marca do diretor?

O primeiro longa do diretor, Os Olhos da Minha Mãe, estreou no festival de Sundance em 2016, e dividiu a opinião da plateia por ser repulsivo.

Foto: Imdb / AdoroCinema

Os Olhos de Minha Mãe (Imdb)

A proposta é simples: Uma mulher chamada Francisca presencia um assassinato, e começa a enlouquecer pelo trauma. Mas o que realmente eleva o impacto do filme são seus recursos fílmicos, que incluem uma atmosfera onírica, sanguinolência e uma cinematografia em preto e branco que causa estranheza em quem assiste.

Estes artifícios se repetem em seu segundo longa, Piercing. Lançado em 2019, a trama é descomplicada, mas provoca desconforto por sua estrutura sádica, que mistura gêneros e apresenta personagens controversos. Por mais que seja apenas uma história sobre vingança, a forma em que é feita potencializa a sensação de aflição.


Piercing (Imdb)
E agora, em seu terceiro filme, o diretor provavelmente irá replicar a fórmula que lhe garantiu elogios da crítica. A prova disso, é que o próprio Nicolas Pesce explicou que pretende manter a simplicidade do clássico oriental, acrescentando brutalidade na receita.

Como consequência, o filme recebeu a classificação para maiores de 17 anos nos Estados Unidos. Nenhuma das versões anteriores de O Grito ganharam essa restrição etária. Ainda em entrevista à revista SFX, Nicolas esclareceu o motivo: "Nós ganhamos permissão para ser sangrentos. E uma das coisas mais legais sobre o longa, são que as cenas de morte não são causadas por fantasmas. Na verdade, os espíritos influenciam as pessoas a fazerem coisas terríveis com elas mesmas".

Em outra conversa com o canal Dread Central, o diretor afirmou que construiu um longa com profundidade de personagens e assuntos relevantes, para corresponder às expectativas do público mais exigente. O resultado de sua evolução como cineasta, e as variações de suas características poderão ser vistas ainda nesta semana.

A nova adaptação de O Grito conta com Lin Shaye (da franquia Sobrenatural), David Lawrence Brown (X-Men: O Filme) e Andrea Riseborough (Birdman) no elenco.

Filmes de terror em 2020

  • ESPIRAL - O Legado de Jogos Mortais: Crimes são investigados em primeiro teaser de reboot da franquia (Exclusivo)
  • O Homem Invisível: Trailer traz Elisabeth Moss sendo atormentada pelo ex-marido
  • Calendário de filmes de terror em 2020
AdoroCinema
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade