1 evento ao vivo

New York Times coloca Vingadores, Frozen e Jogos Vorazes entre os filmes mais influentes da década

O que acham da lista?

27 nov 2019
17h24
  • separator
  • 0
  • comentários

O New York Times publicou nesta semana uma lista com os filmes mais influentes da década. São 10 longas como Vingadores, Corra!, Jogos Vorazes: Em Chamas, Missão Madrinha de Casamento, Okja, O Despertar da Força, e até o documentário Blackfish.

Foto: Divulgação / AdoroCinema

A publicação explica que os filmes da lista "quer você goste deles ou não fizeram a diferença no mundo do entretenimento e além. Em uma época politizada, seu impacto era frequentemente medido em termos ideológicos, pelas discussões que iniciaram e pelas paixões que inflamaram. E em um momento de hegemonia de grande sucesso e ascensão em streaming, eles também representaram um negócio e uma audiência em um fluxo constante e às vezes confuso."

Abaixo você confere a lista completa do New York Times e uma breve explicação do próprio jornal para o filme ter sido escolhido.

Sniper Americano (2014)


"O drama de Clint Eastwood sobre a vida e a morte do franco-atirador, Chris Kyle, lançado no Natal de 2014, alcançou o topo das bilheterias domésticas daquele ano. Foi o único lançamento da década a conseguir isso sem fazer parte de uma franquia, propriedade da Disney ou ambas. Um testemunho da maestria de Eastwood, a popularidade do filme desafiou a ficção de uma Hollywood monoliticamente liberal, ao mesmo tempo em que revelava a polarização do público americano. Com sua bandeira pró-militar e pró-arma, Sniper Americano mostrou para que lado os ventos políticos estavam soprando."

Vingadores (2012)


"Sequências não eram algo novo, nem eram os longos, caóticos e barulhentos espetáculos de super-heróis quando este grande monstro aterrissou. Mas Vingadores, lançado após a aquisição da Marvel Studios pela Disney, foi, no entanto, um grande estrondo na indústria: anunciando o domínio do Universo Cinematográfico da Marvel, onde todos vivemos agora, gostemos ou não."

Blackfish - Fúria Animal (2013)


"Muitos documentários que visam conscientizar sobre um problema no mundo pregam para uma audiência esclarecida. A produção de Gabriela Cowperthwaite sobre o abuso de baleias orca no SeaWorld mudou a percepção do público, o comportamento corporativo e a lei."

Missão Madrinha de Casamento (2011)


"A imagem chocante da noiva de Maya Rudolph sujando seu vestido de noiva deixou claro que a comédia do diretor Paul Feig - escrita por sua estrela, Kristen Wiig e Annie Mumolo - não era apenas mais um filme de casamento feliz. A angústia intestinal vista em todo o mundo ajudou a demolir o clichê sexista de que as mulheres não podem ser engraçadas. Sim, elas podem até fazer as contas bancárias rirem. Basta perguntar a Melissa McCarthy, que se tornou uma das poucas estrelas de cinema genuínas da década."

Frozen - Uma Aventura Congelante (2013)


"Quando Elsa cantou "Let It Go" na animação da Disney, ela não apenas reivindicou seu poder, mas anunciou o poder do público feminino do cinema, que é por si só uma das maiores histórias da indústria na década. Esse público ajudou a tornar Frozen uma das animações de maior bilheteria da história, revivendo e revisando a tradição de contos de fadas da Disney para uma nova geração."

Corra! (2017)


"A loucura de arte de Jordan Peele (e sucesso de bilheteria) é um brilhante mash-up de gênero - o exemplo supremo de uma nova onda no cinema de terror -, bem como uma repreensão feroz ao mito (branco) que a era Obama havia introduzido nos Estados Unidos pós-racial. Estreando logo após a posse de Donald J. Trump, parecia um sinal preocupante dos tempos, uma mistura de sátira e horror tão hábil que era difícil dizer qual era qual."

Jogos Vorazes - Em Chamas (2013)


"A segunda parte da franquia baseada nos livros de Suzanne Collins cimentou o status de Jennifer Lawrence como uma estrela de cinema global e - como Frozen, outro sucesso daquele ano - reconfirmou o poder das mulheres nas bilheterias. Em Chamas também se tornou o primeiro filme protagonizado por mulheres a liderar as bilheterias domésticas anuais em muito, muito tempo. Popular entre meninos e meninas, Katniss Everdeen era um novo tipo de arquétipo da cultura pop, uma rebelde e uma guerreira, e não uma princesa."

Moonlight (2016)


"No 89º Oscar, Moonlight, de Barry Jenkins, fez história no Oscar: entre seus vários 'primeiros', o filme - um projeto altamente pessoal e de baixo orçamento, influenciado pelo cinema de arte europeu e asiático - foi o primeiro vencedor de melhor filme de um cineasta afro-americano. Seu triunfo sinalizou uma mudança na indústria após décadas de racismo sistêmico."

Okja (2017)


"O filme de Bong Joon Ho sobre uma garota e seu super porco geneticamente modificado foi o lançamento da Netflix que abalou a indústria, obscurecendo ainda mais a divisão entre telas grandes e pequenas. Sua estreia no Festival de Cinema de Cannes de 2017 desencadeou um debate sobre o lugar da Netflix no cinema que continua em fúria. A posição cinematográfica de Bong, por outro lado, só se tornou mais incontestável. Dois anos depois, ele voltou a Cannes com Parasita, ganhando o prêmio principal."

Star Wars - O Despertar da Força (2015)


"A franquia, agora parte do Império da Disney, retornou com J.J. Abrams no comando. Inaugurando uma nova trilogia, essa ópera espacial tentou recuperar a energia pop dos três filmes originais, enquanto encontrava mais espaço para mulheres e personagens não-brancos. O resultado foi popular em todo o mundo, mas também provocou uma reação que expôs - não pela primeira ou pela última vez - uma corrente feia e reacionária na cultura moderna de fãs."

AdoroCinema
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade