2 eventos ao vivo

Deserto: Guilherme Weber aborda as feridas brasileiras através de simbolismos em sua estreia como diretor (Entrevista exclusiva)

Já nos cinemas.

14 set 2017
12h09
  • separator
  • comentários

Seguindo os passos de  Selton Mello e  Matheus Nachtergaele na Bananeira Filmes da produtora Vania Catani,  Guilherme Weber é o mais recente ator brazuca a se arriscar na cadeira de direção. O resultado pode ser visto nos cinemas a partir de hoje, 14 de setembro, quando  Deserto chega ao circuito após um ano rodando por festivais ao redor do país.

Foto: AdoroCinema / AdoroCinema



Recebemos o agora diretor Guilherme Weber na sede do

AdoroCinema

no Rio de Janeiro para conversar sobre seu primeiro filme, uma alegoria repleta de simbolismos que bebe da fonte do teatro e também do circo.

"Li um livro mexicano, Santa Maria do Circo, e vi ali uma história que me seduziu muito. No livro eles são de circo, no filme viraram mais de teatro, e eles começam a falar sobre criação de identidade."

Com uma ambientação estética exuberante e flertando com o realismo fantástico, Weber aproveitou a oportunidade para tocar em algumas mazelas brasileiras.

"Alguns personagens são iguais ao livro, outros diferentes, escolhendo o que simbolizaria as feridas brasileiras: a questão do negro, da mulher, da terceira idade, dos artistas, de como a igreja compactua com determinadas coisas, o sincretismo religioso, a falta d'água. Tudo isso que formou a nação, de certa maneira, e estas feriadas que ainda sangram nos dias de hoje."

Com  Lima Duarte encabeçando um elenco que conta também com os pouco conhecidos (e ótimos!) Magali Biff,  Claudio Castro e Marcio Rosario,

Deserto

já está em cartaz nos cinemas de arte espalhados ao redor do país. Confira nossa crítica!



AdoroCinema

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade