1 evento ao vivo

5 Filmes de heróis que não foram feitos para crianças

Salvar o dia nem sempre é algo bonito de se ver.

21 jan 2020
19h41
atualizado em 24/1/2020 às 12h53
  • separator
  • 0
  • comentários

Existe muito mais entre o céu e o inferno do que supõe a nossa vã filosofia. Habitando exatamente no meio deste contundente reflexo shakespeariano a respeito da forma como o bem e o mal são enxergados de maneira simplória, estão alguns heróis um tanto... digamos, fora dos padrões. 

Foto: AdoroCinema / AdoroCinema

Por mais que ao longo do tempo a indústria cinematográfica tenha passado uma certa ideia de que filmes de heróis estão sempre associados a um público infantojuvenil, algumas obras ganharam vida justamente para provar o contrário. Afinal de contas, ter poderes não é um sinônimo de ser um bastião da justiça e da moralidade — e nem de ser imune a alguns litros de sangue. 

Para comprovar que filmes de heróis também podem muito bem atingir públicos compostos por maiores de idade, preparamos uma lista de obras do gênero que não foram feitas para crianças. Então pega a pipoca, prepara o psicológico, e vamos lá! 

KICK ASS - QUEBRANDO TUDO 

E se um adolescente normal, revoltado com as injustiças do cotidiano, resolvesse virar um herói ao molde daqueles que vê diariamente nos quadrinhos? Narrado pela perspectiva do jovem Dave Lizewski (Aaron Taylor-Johnson), Kick Ass brinca com alguns estereótipos comuns e mostra que a realidade é um pouco mais dura do que a forma como vemos na ficção. Algumas costelas quebradas e um punhado de feridas são comuns na vida real. 

WATCHMEN

Escrita por Alan Moore e ilustrada por Dave Gibbons, a HQ de Watchmen é considerada transgressora desde seu nascimento por mostrar heróis e vilões de maneira mundana, desconstruindo conceitos maniqueístas projetados por personagens clássicos. Na trama, um desajeitado grupo de super-heróis aposentados possui suas fraquezas expostas quando descobrem que podem estar fazendo parte de uma grande conspiração. Além do filme adaptado por Zack Snyder em 2009, a obra ganhou também uma série neste ano de 2009. 

LOGAN

Seguindo um caminho um pouco diferente dos outros citados, Logan foi precedido por diversos filmes feitos para públicos infantis, mas encerrou a jornada do Wolverine de Hugh Jackman com uma obra densa, sanguinária e bastante triste, lidando pela primeira vez na saga X-Men com uma perspectiva mais realista a respeito da morte em si. Na trama, o velho Logan, já enfraquecido, é acompanhado de X-23 (Dafne Keen), pequena mutante que precisa proteger a todo custo.

DEADPOOL

É claro que não poderia faltar aqui um espaço dedicado para a zoeira. Estrelado pelo cômico Ryan Reynolds, Deadpool captou perfeitamente a essência ácida do humor negro contido em seus quadrinhos e finalmente saiu para os cinemas depois de uma enorme novela entre a Fox e a Marvel. O esforço de Reynolds para que o filme acontecesse valeu a pena, já que ele foi um sucesso absoluto e até mesmo garantiu uma sequência. No enredo, Wade Wilson é um mercenário que, depois de ser torturado e desfigurado, ganha inesperados poderes de regeneração e combate. Daí pra frente, a coisa só vai ficando mais louca e o resultado é um herói completamente fora do comum.

HELLBOY

Existindo no perfeito limiar entre a humanidade e a sobrenaturalidade, o meio-demônio Hellboy (David Harbour) já é parte da cultura popular com sua figura vermelha, de chifres grandes. Sua história começa quando, em seu nascimento, ele emerge do inferno para a Terra e é resgatado pelo professor Trevor Bruttenholm, que estava presente no momento do acontecimento. Criado com amor e carinho, ele nunca se desfez de sua essência demoníaca, mas ficou ao lado dos humanos quando a grande guerra contra os monstros tomou forma. Além de ser o lançamento mais recente desta lista, o filme está disponível para ser assistido agora mesmo no streaming do Telecine! Aliás, assinando agora, você tem 7 dias grátis para curtir mais de 2000 filmes de todos os estúdios de Hollywood! Bora encarar esse outro lado dos heróis?

AdoroCinema
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade