PUBLICIDADE

Unesco tira porto de Liverpool da lista de patrimônios mundiais

Desenvolvimento excessivo causou 'perda de identidade'

21 jul 2021 10h34
| atualizado às 10h49
ver comentários
Publicidade

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) anunciou a retirada do porto de Liverpool, na Inglaterra, da lista de patrimônios mundiais nesta quarta-feira (21).

Porto de Liverpool foi retirado da lista de patrimônios por conta do desenvolvimento excessivo
Porto de Liverpool foi retirado da lista de patrimônios por conta do desenvolvimento excessivo
Foto: OUR PLACE The World Heritage Collection/Unesco / Ansa - Brasil

De acordo com o órgão, o desenvolvimento excessivo ocorrido no local provocou "a perda de identidade". A reunião dos membros da Unesco aprovou a resolução por 13 votos favoráveis e cinco contrários.

Em nota oficial, o governo britânico disse estar "extremamente desapontado" com a decisão da Unesco e afirmou "acreditar que Liverpool merece ainda o status de patrimônio mundial dado o papel significativo que os moles históricos e a cidade em geral desenvolveram ao longo da história".

A cidade inglesa entrou na lista de patrimônios em 2004 por conta do impacto histórico e arquitetônico do porto. A Unesco considerou que Liverpool foi um importante centro comercial durante o Império Britânico e a arquitetura local virou referência. Mas, desde 2012, o órgão havia colocado a área como um sítio em risco, com constantes alertas ao governo.

Em um relatório publicado em junho desse ano, a comissão do Patrimônio Mundial afirmou que o desenvolvimento na área do porto fez com que a estrutura perdesse a sua identidade e citou ainda o projeto de construção do Liverpool Waters, que revitaliza espaços abandonados na área, e do novo estádio do Everton, que está sendo construído em uma área próxima.

Com a decisão, o porto de Liverpool é o terceiro sítio a perder o status de Patrimônio Mundial da Humanidade desde quando a lista começou a ser publicada, em 1978.

Os outros dois são o Santuário do Órix da Arábia, em Omã, retirado da lista em 2007 por conta da prospecção e busca de petróleo, e o Vale do rio Elba, em Dresden, na Alemanha, retirado em 2009 por conta da construção de uma ponte. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade