PUBLICIDADE

Supremo confirma que Gina Lollobrigida precisa de 'tutor'

Estrela do cinema italiano disse estar 'amargurada' com decisão

1 out 2021 14h53
| atualizado às 15h14
ver comentários
Publicidade

A Corte de Cassação da Itália, última instância judicial do país, confirmou nesta sexta-feira (1º) que a atriz Gina Lollobrigida, 94 anos, precisa de um "tutor" para cuidar da administração de seu patrimônio.

Justiça determinou que patrimônio de Gina Lollobrigida deve ser cuidado por filho
Justiça determinou que patrimônio de Gina Lollobrigida deve ser cuidado por filho
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

Com isso, os juízes deram razão ao filho, Andrea Milko Skofic, com o qual Lollobrigida sempre teve uma relação bastante complicada.

Os magistrados, porém, excluíram a afirmação do filho de que ela "tem uma enfermidade mental derivada de patologias psiquiátricas", mas a perícia médica feita por ordem da Justiça constatou que ela sofre de um "enfraquecimento da correta percepção da realidade" e um estado de "vulnerabilidade" que torna "possível que pessoas a influenciem".

Após a decisão, o advogado Filippo Maria Meschini, que há muitos anos trabalha com a atriz, disse que ela estava "amargurada" com a medida e que isso "é lesivo".

"A senhora Lollobrigida está muito amargurada e não se entrega a uma decisão que considera danosa e profundamente injusta, além de lesiva à dignidade", disse Meschini, que relatou que a idosa passa seus dias pintando ao lado de seu cachorro de estimação.

Segundo o representante legal, desde que a pandemia do coronavírus Sars-CoV-2 começou, a atriz evitou sair às ruas por motivos de "segurança" e que ela atualmente "vive uma vida tranquila e reservada". Meschini também ressaltou que a atriz é uma "convicta apoiadora das vacinas" contra a doença e que mantém "intacta" suas capacidades mentais.

O pedido de tutela do filho ocorreu no ano passado após Andrea Piazzolla, um ex-empresário da artista que trabalhou com ela entre 2013 e 2018, ter virado réu na Justiça por abuso de incapaz.

Conforme a denúncia, feita por Andrea e por seu neto Dmitri, Piazolla afastou a atriz da família para se apossar do patrimônio. O Ministério Público apontou uma série de operações suspeitas dele enquanto ele administrava os bens da artista. À época, Lollobrigida saiu em defesa do ex-empresário e pediu para que o filho e neto reconhecessem "seus erros".

 Lollobrigida, que recentemente foi uma das estrelas da campanha de vacinação contra a Covid-19, começou sua carreira em 1947 e se tornou uma das atrizes italianas mais conhecidas do mundo nas décadas seguintes, com mais de 60 filmes estrelados. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade