6 eventos ao vivo

Cidade italiana quer que Alemanha pague por barcos de Calígula

Nazistas queimaram as duas embarcações históricas em 1944

29 jul 2020
09h56
atualizado às 10h05
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A cidade de Nemi, na Itália, quer que a Alemanha faça o ressarcimento financeiro pela destruição dos famosos barcos construídos por ordem do imperador romano Calígula, queimados por militares nazistas em 31 de maio de 1944 durante a retirada na Segunda Guerra Mundial.

O projeto aprovado pela Câmara Municipal foi apresentado pelo próprio prefeito, Alberto Bertucci, e justifica o pagamento pelo fato de que "o dano irreparável de um bem arqueológico não foi causado por uma imprevisível ação bélica, mas um consciente gesto para ferir".

Os "Barcos do Nemi" foram construídos no século 1 no lago que dá nome à cidade. As embarcações eram como palácios, contando com luxuosas estátuas de mármore, templos, áreas de banho, entre outras excentricidades do imperador.

Os cascos foram encontrados praticamente intactos e foram retirados do fundo do Nemi por ordens do ditador italiano Benito Mussolini entre os anos de 1928 e 1932. No entanto, entre a noite do dia 31 de maio e 1º de junho de 1944, ambos foram queimados por nazistas do 163º Grupo Antiaéreo Motorizado, que fugiam em retirada da cidade.

Bertucci afirma que é preciso "submeter o pedido de julgamento ressarcitório a República Federal da Alemanha por danos morais e materiais sofridos pela coletividade de Nemi por causa do dano irreparável causado a um bem arqueológico de inestimável valor".

"Nós encontramos relatórios, amplas documentações, testemunhos: os nazistas afastaram todos os residentes. Decidiram incendiar esses tesouros. Não há dúvida. Nós não pedimos apenas os danos. Nós queremos que, com um gesto significativo do espírito europeu, as autoridades alemães colaborem conosco para reconstruir o que sobrou dos dois navios recorrendo às novas tecnologias de reprodução", destacou ainda o prefeito.

Conforme o líder municipal, há um livro do Instituto Poligráfico e Casa do Moeda do Estado daquela época que traz dados e medidas, bem como imagens, sobre como eram os dois barcos. .
   

Veja também:

O chef premiado que valoriza peixes considerados menos nobres
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade