PUBLICIDADE

Roda de afeto de homens pretos parte da quebrada para tela

Cineasta Wellington Deoli, de Carapicuíba, conta sobre as conversas que deram origem ao filme "Motriz: Roda de Afeto"

29 abr 2022 17h25
| atualizado em 30/4/2022 às 05h00
ver comentários
Publicidade

O filme "Motriz: Roda de Afeto", que estreou em março no Canal Futura e no Globoplay, reúne um grupo de homens que debatem as masculinidades pretas.

Foto: Divulgação / Agência Mural

Partindo das próprias barreiras emocionais, o diretor e cineasta Washington Deoli, morador de Carapicuíba, cidade da Grande São Paulo, se deparou com a falta de informação quando se fala dos sentimentos de homens pretos e decidiu ampliar a discussão com o audiovisual.

Ele conta como foi realizar o projeto e como as experiências dos participantes refletem parte do que ele vive quando o assunto é amparo, afeto, emoções, medos e traumas.

Próxima Parada

Produzido pela Agência Mural e distribuído exclusivamente pelo Spotify, o Próxima Parada conta com a colaboração da nossa rede de correspondentes locais dos bairros periféricos da Grande São Paulo. Para ouvir o episódio, basta clicar neste link do programa e se cadastrar gratuitamente no aplicativo.

De segunda a sexta-feira, sempre no final da tarde, um novo episódio fica disponível. Ali, os apresentadores e repórteres Gabriela Carvalho e Rômulo Cabrera contam histórias, analisam fatos e apontam possíveis soluções para as demandas das quebradas. A edição de som da Pammela Gentil, a distribuição nas redes sociais da Pietra Alcântara e coordenação geral do podcast é do Vagner de Alencar.

Agência Mural
Publicidade
Publicidade