PUBLICIDADE

Cine & Rock transforma vidas em favela do Rio de Janeiro

Através de atividades de cultura e lazer, o Cine & Rock muda a vida de crianças e adolescentes de Rio das Pedras

15 dez 2021 20h51
| atualizado em 18/12/2021 às 09h54
ver comentários
Publicidade
Sede do Cine Rock, no Rio de Janeiro
Sede do Cine Rock, no Rio de Janeiro
Foto: Divulgação / ANF

Com 10 anos de atividades e localizado na comunidade do Rio das Pedras, Zona Oeste do Rio de Janeiro, o Cine & Rock é uma da Organizações não governamentais (ONGs) mais conhecidas da cidade. Através de atividades de esporte, cultura e lazer, o projeto atrai cada dia mais adeptos que frequentam as atividades da organização.

Segundo Léu Oliveira, criador do movimento, o Cine & Rock tem duas vertentes: “até 2017 era um movimento de ocupação territorial, localizado em uma praça abandonada, além de um evento de rock com questões ambientais e sociais, trabalhando a conscientização da galera do rock de Rio das Pedras. Mas, no final de 2017, início de 2018, deixou de ser um movimento de ocupação territorial e passou a ser uma ONG de atendimento direto para meninos e meninas de 4 a 17 anos”

Com atividades de lazer, esporte, educação e cultura, o Cine & Rock educa jovens e adultos para que possam, através dessas atividades, ser inseridos na sociedade, aprendendo novos desafios, também são oferecidas aulas de reforço, passeios para circos, museus e teatros, além de ações político-social, como doação de cestas básicas.

Através de parcerias e doações, a ONG faz campanhas para doar cestas básicas e leite. De acordo com Oliveira, em março de 2020, logo no início da pandemia, começaram a chegar pessoas não habituais pedindo alimentos. “Começou a chegar uma galera diferente, pedindo cestas básicas. Quando deu o boom do lockdown, um parceiro nosso, o Leandro Ice, conseguiu 12 cestas básicas junto a um projeto chamado “Corrente do Bem”. Ali comecei a ter noção de que estava acontecendo alguma coisa grave nesse aspecto”.

Na pandemia, o Cine & Rock também precisou fechar devido ao lockdown, porém, não parou de alimentar os jovens da comunidade. A a organização oferecia café da manhã, almoço e jantar. 

Segundo Léu, 98% das crianças do Cine & Rock têm mãe solo. Durante a pandemia o Cine & Rock doou cerca de oito mil cestas básicas, seis toneladas de verduras e 30 mil itens como máscaras, álcool em gel e kits de limpeza.

“Eu preciso muito ampliar o espaço, pois as pessoas estão crescendo e aqui já estamos ensinando uma segunda geração. Aqueles jovens que tinham 15, 16, 17 anos há 10 anos, hoje estão com 25, 30 anos e trazem seus filhos pra cá. E o espaço está ficando pequeno, mas nunca disse “não” a qualquer criança que queira fazer atividade aqui. Além de ampliar o espaço, queremos comprar um novo ônibus, pois tivemos que vender o nosso na pandemia, para poder ter uma autonomia para levar as crianças para passeios, e competições”, explica falando que o futuro do Cine Rock precisa de uma ampliação do espaço.

Antônio Oliveira - Campeão de Jiu-Jitsu
Antônio Oliveira - Campeão de Jiu-Jitsu
Foto: Divulgação Cine Rock / ANF

Na sexta-feira (11/12), o Cine & Rock ganhou 60 ingressos para o circo Abracadabra, que está se apresentando no Shopping Via Parque, localizado na Barra da Tijuca. E através da cultura, a organização busca tirar as crianças da comunidade e levá-las para lugares que normalmente seriam difíceis pra elas frequentarem.

“A gente conta com pessoas parceiras que entendem a importância de tirar essas crianças e adolescentes de Rio das Pedras, e levá-las a um cinema, museu, ou circo. Às vezes pego as crianças e falo: ‘vamos para a praia!’, pois tem crianças que nunca foram à praia, e a praia é aqui ao lado. E sempre ‘tô’ levando para sítio, para cachoeira, etc”, conta.

Inicialmente, o Cine & Rock era um movimento cultural do Rio das Pedras, e manteve seu formato cultural, ajudando a quem precisa. Através da cultura e do esporte, muitos jovens mudaram suas vidas.

Manoel Carlos, 15 anos, está há 5 anos no Cine & Rock, e viu sua vida mudar. “a convivência com a minha família melhorou muito, antes era boa, mas após o Cine Rock, melhorou muito".

Anthony Pereira  (Mandacaru), 14 anos, está há 3 anos no projeto e fala que, por meio dele, mudou de vida. Atualmente, ele mora na sede da ONG, pois sua mãe voltou para o Ceará e ele precisava se dedicar aos treinos do Jiu-Jitsu. Com muito esforço e treinamento, foi campeão brasileiro de Jiu-Jitsu infantil, campeão de capoeira nos jogos comunitários 2021 do Abadá Capoeira e vice-campeão da Copa Alfa. 

ANF
Publicidade
Publicidade