PUBLICIDADE

Moradora leva futebol para acabar com brigas no bairro na BA

Unidos Esporte Clube já atendeu mais de 2 mil atletas e conta, atualmente, com mais 200 garotos em bairro da periferia da capital baiana

13 dez 2021 09h00
| atualizado às 12h11
ver comentários
Publicidade

Moradores da periferia de Salvador encontraram no esporte, há mais de três décadas, um caminho para conseguir enfrentar a realidade dura e de violência que o bairro enfrentava. Se por um lado as estatísticas mostram que jovens negros e pobres são a maioria das vítimas das violências, por outro grandes atletas também surgem nos bairros mais pobres.

Para que surja esses grandes atletas, existem projetos que oferecem altenativas para os jovens do Brasil. Um exemplo disso é o Unidos Esporte Clube, na capital baiana. O projeto nasceu para unir jovens em conflitos no bairro de Pirajá e oferecer oportunidade de integração social na sociedade.

De acordo com Unicef Brasil, de 2016 a 2019, Salvador apresentou um aumento de 52% na taxa de homicídios de adolescentes. A média de assassinatos cresceu de 55,43 mortes por 100 mil habitantes em 2016, para 85,49 em 2019.

Dona Berenice, fundadora do projeto
Dona Berenice, fundadora do projeto
Foto: Flávio Rosário / ANF

Projeto Unidos Esporte Clube

Muito jovens são atraídos para os projetos sociais por causa do esporte. É o caso dos estudantes Samuel Lima Evangelista Silva e Vitor Elias Santos Gomes, 16 e 15 anos, respectivamente. Ambos são fascinados pelo futebol e fazem parte do projeto Unidos Esporte Clube.

Os jovens são amigos desde pequeno e formam uma grande parceria dentro e fora das quadras e sonham em ser jogadores profissionais.

“Nos conhecemos desde pequeno na escola, mas foi dentro do Unidos que viramos irmãos. A nossa amizade é muito forte e dentro de campo fica mais ainda. É uma amizade eterna”, declara Samuel.

“Coloco o meu coração na ponta da chuteira quando estou no campo. Quero ser igual a Cristiano Ronaldo, e sonho em ser jogador profissional. O projeto oferece essa oportunidade e me ajuda a focar e ter disciplina”, afirma Vitor.

O projeto é liderado pela fundadora dona Berenice Pereira do Nascimento dos Santos, de 70 anos, que conta com a ajuda do filho, diretor esportivo e treinador, Adriano Nascimento Borges dos Santos, 44. É por meio da associação que eles lutam por uma comunidade digna e justa.

O Unidos já apoiou mais de dois mil garotos com ações benéficas que mudaram a vida do bairro. O projeto atende crianças e adolescentes há mais de 30 anos, formando cidadãos e possibilitando aos alunos se tornarem grandes profissionais em diversas áreas e, principalmente, homens capazes de lutar pelos próprios sonhos.

Dona Berenice, auxiliar de serviços gerais, tinha um sonho: acabar com a violência entre jovens no bairro de Pirajá. Ela reuniu os pais dos garotos e propôs uní-los através do esporte.

“Nosso trabalho começou por uma necessidade da comunidade. Existia muita violência nas ruas. Quando o meu filho mais velho foi convidado para fazer parte de um time de futebol me veio a ideia de criar um aqui também. Fui na casa dos pais dos meninos e disse que tinha uma solução: formar um time para tentar acabar com esses conflitos”, explica.

O momento era tão preocupante que a auxiliar de serviços gerais temia pelos estudos dos filhos, pois a maioria estudava, mas não podia frequentar as escolas devido às agressões sofridas lá.

“Eu ficava desesperada. Tenho oito filhos e alguns já estudavam. Quando eu retornava do meu trabalho encontrava as minhas crianças com machucados, roupas rasgadas, olho inchado por causa de brigas. Eles apanhavam e batiam. Fiquei muito preocupada com a situação. Além disso, tinha os filhos dos vizinhos que passavam pelas mesmas coisas”, relembra Berenice.

O bairro de Pirajá tem cerca de 30 mil habitantes, fica localizado entre a BR-324 e o Subúrbio Ferroviário de Salvador. Possui três finais de linhas: Rua Oito de Novembro (Rua Velha), Rua Nova e o Conjunto Pirajá.

Eram exatamente nesses locais que aconteciam as brigas e as confusões. Quem era da Rua Velha não poderia passar na Rua Nova, e vice-versa. “A situação era grave, mas o projeto ajudou a mudar o comportamento deles”, destaca a fundadora.

Para dona Berenice, depois da implantação do projeto, a violência diminuiu na comunidade, pois muitos dos jovens que brigavam ficaram amigos e passaram a defender o outro. Até os jovens que faziam uso de drogas tiverem que largar para participar dos jogos.

De acordo com Adriano, o projeto foi criado em 12 de outubro de 1989, oferecendo espaço para todos os jovens da comunidade. Atualmente são 208 garotos, entre 5 e 18 anos – faixa etária permitida.

Willian Pires Dias, ex-aluno
Willian Pires Dias, ex-aluno
Foto: Flávio Rosário / ANF

Os treinos acontecem no campo da própria comunidade, nas quartas-feiras pela manhã, das 8 às 11h30, e à tarde, das 13h30 até 17h, e às sextas e sábados, das 8 às 12h.

Para fazer inscrição é cobrada uma taxa de R$ 15 e uma mensalidade do mesmo valor. “A taxa mensal é para custear a manutenção da bola, roupas e os padrões do time”, explica Adriano.

Transformação social

Unidos Esporte Clube não trabalha só com a ideia do futebol, mas com conceito social e visão de transformação.

“O nosso objetivo é fazer desses jovens cidadãos de bem. Quando a gente sabe que formamos barbeiro, professor, médico, empresário, músico, entre outras profissões, isso nos fortalece. Ainda não formamos jogadores profissionais, contudo vários jovens conquistaram outros empregos que ajudam sustentar as suas famílias”, diz Berenice.

Willian Pires Dias, 35 anos, profissional de educação física, é um dos exemplos de como o Unidos mudou completamente a vida dele.

Ele entrou no projeto porque amigos e colegas falavam muito sobre o Unidos. “Como eu gostava muito de futebol, pedi ao meu pai para me matricular”, revela

Dias revela que sempre foi um jovem muito nervoso, estressado com um temperamento explosivo, porém o projeto o fez mudar totalmente o próprio comportamento.

“O projeto tem uma representatividade muito grande, significa o início e o recomeço, uma transformação de vida. Posso dizer hoje que 60 % da minha vida devo ao projeto”, conta alegremente William, que ficou no projeto como atleta de dez até os 18 anos. É a última categoria - dos 17 para 18 anos-, quando encerra a participação dos jovens como atleta.

Renivaldo Oliveira Hora, ex-aluno
Renivaldo Oliveira Hora, ex-aluno
Foto: Flávio Rosário / ANF

Outro aluno que passou pelo projeto e hoje é músico, é o cantor e compositor, Gilvan Cerqueira Sousa, 38 anos, conhecido como Van Van Toda Hora. Ele diz que Unidos fortaleceu a comunidade e mostra gratidão.

“Eu era um menino muito rebelde, bagunceiro, brigava muito. Diversas mães não me queriam no time. Elas tinham medo que eu fizesse alguma maldade com os filhos delas. Mas dona Berenice me deixou no projeto me dando uma oportunidade de mudança. Foi uma luta, mas mudei muito, aprendi a ser uma pessoa do bem. Sou muito grato de verdade a toda família Unidos. Adriano e dona Berenice são bençãos na minha vida”, conta o músico.

O projeto tem uma importância tão grande na comunidade que o ex-aluno Renivaldo Oliveira Hora, 42 anos, barbeiro, se emociona ao falar da vivência com Unidos.

“O projeto formou o meu caráter. Aprendi a ser compreensível com as pessoas e entender que o ser humano tem que amar o próximo. Nunca vou esquecer do projeto. Quando Deus me abençoar um lugar que eu nunca vou esquecer é Unidos. Quando vejo dona Berenice e Adriano levando esse projeto com amor e carinho, eu fico inspirado”, fala emocionado e questiona como o como um projeto desses não tem apoio?

Adriano dos Santos, treinador do projeto Unidos Esporte Clube
Adriano dos Santos, treinador do projeto Unidos Esporte Clube
Foto: Flávio Rosário / ANF

O psicólogo João Paulo Moura Ferreira, 38, com 13 anos de atuação com crianças, adolescentes e Jovens fala sobre a importância de projetos sociais nas comunidades.

“O Projeto social pode significar efetivamente tirar muita gente da escuridão e dar identidade às  pessoas, ajuda a combater o crime, a desigualdade e caracteriza cada um pela sua potencialidade e não pelo fato de serda favela ou da periferia. Até porque, na periferia temos médicos, dentistas, psicólogos, professores e muitos outros profissionais e possibilidades que agregam valor e efetivamente estabelecem mudanças”, afirma.

Falta de Apoio

Com 32 anos de existência, o grupo se mantém através de doações de amigos e dos pais dos garotos. Segundo o treinador Adriano, poucos alunos conseguem pagar as mensalidades, pois a maioria não tem condição financeira de arcar com os custos.

“O projeto ajudou bastante a diminuir a violência no bairro. Foi uma grande luta, mas conseguimos vencer. Quando eu era garotinho, já via a batalha de minha mãe e nunca tivemos uma ajuda permanente para manter o trabalho”, desabafa Adriano.

Quando os jovens vão participar de campeonatos em outros bairros ou municípios,  muitas vezes faltam transportes e alimentação. “Não temos um apoio forte desde o nascimento do projeto, então fazemos vaquinhas e rifas para poder conseguir recursos para participar dos campeonatos.”, lamenta.

Benefícios da prática esportiva

O personal trainer, Jadson Nogueira Barbosa, 28, explica que os esportes estão diretamente ligados ao desenvolvimento físico das pessoas e ajuda no tratamento de problemas como déficit de atenção e dislexia, sem contar que reduz as chances do desenvolvimento de quadros de ansiedade e depressão.

Os exercícios físicos também colaboram para uma melhor qualidade do sono e ajudam a controlar posturas agressivas e estimulam o raciocínio.

Nogueira ainda salienta que a prática esportiva é fundamental nas comunidades, já que projetos sociais como Unidos favorecem aos jovens. “Além de praticar atividades físicas, os jovens ficam longe da criminalidade e da marginalidade, e ganham possibilidades de um futuro melhor”, pontua.

Projetos que fizeram baianos campeões olímpicos

Os projetos sociais também foram importantes para os atletas olímpicos brasileiros Hebert Conceição, campeão do boxe, eIsaquias Queiroz, bicampeão olímpico na canoagem.

Eles tiveram que lutar muito para ganhar as medalhas de ouro nas olimpíadas de Tóquio, no Japão, em 2021.

O soteropolitano Hebert Conceição, falou sobre o projeto social que o projetou depois de uma vitória nos ringues das olimpíadas:

“O boxe é muito tradicional, popular em Salvador, as crianças e moleques, graças aos projetos sociais, conseguem formar grandes campeões. Eu vim do projeto Campeões da Vida e existem muitos outros projetos”.

A carreira de Hebert tem a influência de dois grandes nomes do boxe nacional: Robson Conceição e o renomado Luiz Dórea, fundador do projeto Campeões da Vida.

Hebert Conceição é do projeto social Campeões da Vida, também de Salvador por onde já passaram mais de oito mil crianças e onde também surgiu também a Academia Champion, responsável pelo treinamento de Hebert até hoje.

Outro campeão é Isaquias Queiroz que ganhou a medalha de ouro na prova do C1 1000 metros da canoagem de velocidade. Essa é a 4ª medalha do atleta em Olimpíadas, nos Jogos do Rio 2016, ele faturou duas pratas, no C1 1000m e no C2 1000m, e o bronze no C1 200 m.

O baiano de Ubaitaba começou a sua trajetória na canoagem através da Associação Cacaueira de Canoagem. O projeto social funciona há mais de 35 anos e mantém uma escolinha gratuita de canoagem que atualmente atende cerca de 60 crianças.

Foram muitas as dificuldades que Isaias teve, pois começava pela qualidade dos materiais usados na prática do esporte, incluindo as próprias embarcações, porém ele nunca desistiu.

Não faltam exemplos de atletas que comprovam o quanto projetos sociais ajudam os jovens a trilharem um caminho melhorno esporte e na vida.

“Quando começou o projeto eu não entendia nada de bola, mas sempre estava com os alunos e nunca deixava faltar alimentação. Tudo isso valeu e vale a pena. “ver um sorriso de um garoto e o olhar esperançoso de um jovem não preço. Tudo isso é nossa história e o que a gente puder fazer pela comunidade, a gente sempre fará”, garante dona Berenice e, ao lado do filho, Adriano, o treinador dos meninos, deixa uma mensagem para os jovens das comunidades do Brasil.

“Mesmo com todas as dificuldades da vida e empecilhos postos à nossa frente, jamais devemos desistir dos nossos sonhos, porque na vida tudo é possível, só basta crer e lutar. Nós, do Unidos Esporte Clube, acreditamos no potencial da juventude das comunidades”, finaliza.

 

ANF
Publicidade
Publicidade