PUBLICIDADE
AO VIVO
Paris é Delas: Atletas falam sobre longevidade e vaidade no esporte

Por que Shin Megami Tensei é chamado de "Pokémon de capeta"?

Série de RPG da Atlus ganhou essa comparação por alguns elementos em comum com a franquia da Nintendo, mas é muito mais do que isso

18 jun 2024 - 06h06
(atualizado às 09h39)
Compartilhar
Exibir comentários

Sempre quando se fala em RPGs da Atlus, a primeira coisa que vem à mente é a série Persona, mas existe outra franquia da empresa japonesa com mais de 30 anos de história e que merece mais atenção. Shin Megami Tensei pode não ser a linha mais popular, mas é bastante interessante, até por ser basicamente um "Pokémon de demônios".

Foto: Atlus / Canaltech
Pokémon de costa oca? Isso é Shin Megami Tensei (Imagem: Reprodução/Atlus)
Pokémon de costa oca? Isso é Shin Megami Tensei (Imagem: Reprodução/Atlus)
Foto: Canaltech

Mesmo sendo a franquia menos conhecida, Shin Megami Tensei é, na verdade, a série que originou Persona, que foi lançado como um spin-off em 1996. Por isso mesmo, os dois títulos chegam a ser bastante parecidos, embora o game original traga tramas bem mais maduras, misturando elementos de ficção científica, temas bastante adultos e muita religião. Esse último ponto, inclusive, pode ser responsável pela franquia não ser tão famosa no Ocidente, já que ela não tem muito freio na hora de utilizar imagens cristãs para contar suas histórias sombrias.

Temos que pegar (demônios)!

Shin Megami Tensei surgiu como uma adaptação de uma série de livros chamada Digital Devil Story. Esses livros, que misturam ficção científica e fantasia, foram escritos por Aya Nishitani e mostram um garoto do segundo grau que consegue desenvolver um programa de computador que é capaz de invocar demônios.

Capa maravilhosa de Digital Devil Story: Megami Tensei (Imagem: Reprodução/Namco, Atlus)
Capa maravilhosa de Digital Devil Story: Megami Tensei (Imagem: Reprodução/Namco, Atlus)
Foto: Canaltech

O festival de ideia errada continua, já que o software acaba abrindo as portas do inferno e obrigando que o jovem e uma amiga precisem usar demônios para tentar impedir os avanços de Lúcifer.

O primeiro game, chamado apenas de Digital Devil Story: Megami Tensei, foi lançado em 1987, para o Famicon. O game ainda teve uma sequência e até se tornou um anime, lançado em 1990, mas a franquia receberia uma espécie de reboot em 1992. Agora chamado Shin Megami Tensei (o Shin significa "Novo"), o jogo trazia um gameplay em primeira pessoa em que o jogador explorava masmorras e lutava contra demônios.

A galera de inimigos que o jogador enfrenta sempre foi muito eclética, indo desde figuras do folclore japonês até divindades de mitologias clássicas, como a egípcia, grega, nórdica e celta. Só que eles não param por aí e incorporaram muits criaturas do imaginário medieval, seres de linhas esotéricas como a Goétia e gnosticismo e até mesmo divindades e demônios cristãos. É uma enorme salada cultural sem freio algum.

E a grande sacada de Shin Megami Tensei é que, para enfrentar essas entidades, o jogador tem a opção de conversar com os inimigos e trazê-los para o seu lado. No melhor estilo Pokémon, o herói captura esses seres na lábia e faz com que eles trabalhem a seu favor. A partir disso, é possível evoluí-los e até fundi-los para invocar novas criaturas.

Isso faz com que a franquia possa ser considerada uma espécie de Pokémon ou Digimon do inferno, já que os jogadores fazem uma coleção de deuses e demônios para sair na mão com outros capirotos — e tudo isso anos antes de Pikachu dar seus primeiros passos.

Ganhando mais visibilidade

Durante boa parte de sua existência, a franquia Shin Megami Tensei ficou mais conhecida dentro de plataformas como PS2 e portáteis como o Nintendo DS e 3DS, motivo pelo qual outras séries da Atlus, como Persona, se tornaram mais populares que ela.

Todos os demônios de Shin Megami Tensei vêm de alguma cultura específica e são retratados de forma condizente à sua origem (Imagem: Reprodução/Atlus)
Todos os demônios de Shin Megami Tensei vêm de alguma cultura específica e são retratados de forma condizente à sua origem (Imagem: Reprodução/Atlus)
Foto: Canaltech

Shin Megami Tensei V, jogo mais recente da franquia, foi lançado em 2021 para o Nintendo Switch, e sua conexão superficial com Persona trouxe bastante atenção para o lançamento. 

O jogo é dividido entre duas realidades, sendo uma Tóquio em tempos modernos e uma cidade pós-apocalíptica chamada Da'at, uma versão alternativa da capital japonesa que foi destruída em uma guerra entre anjos e demônios. Antes dos acontecimentos do game, Lúcifer conseguiu destruir o Criador, gerando uma luta pelo poder supremo do universo. Uma trama ousada o suficiente para chocar a família tradicional.

Aliás, falando em chocar, Shin Megami Tensei também é conhecido pelo seu design bastante peculiar desses demônios. Sem medo de soar estranho ou ridículo, o jogo busca retratar esses demônios de forma bastante fiel às suas culturas originais, o que acaba gerando entidades únicas, como o demônio budista Mara.

Sim, é exatamente isso que você viu. Um demônio em forma de pênis de charrete dando cabeçada como ataque. Isso é Shin Megami Tensei.

Uma versão expandida do game, chamada Shin Megami Tensei V: Vengeance, foi lançado no dia 14 de junho para PC, Nintendo Switch, PS4, PS5, Xbox One e Xbox Series S/X, trazendo gameplay melhorado, novos demônios e maior área de exploração.

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade