PUBLICIDADE

Meta cita ventos contrários 'fortes' e crescimento mais lento no segundo semestre, diz memorando

30 jun 2022 - 17h55
Ver comentários

A Meta, dona do Facebook, está se preparando para um segundo semestre mais enxuto, enquanto lida com pressões macroeconômicas e impactos da privacidade de dados em seus negócios de anúncios, de acordo com um memorando interno visto pela Reuters nesta quinta-feira.

REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração
REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração
Foto: Reuters

"A empresa precisa de mais foco" e "operar de maneira mais leve e ter melhores equipes de execução", escreveu o diretor de produtos Chris Cox no memorando, que apareceu no fórum de discussão interno da empresa.

"Tenho que ressaltar que estamos em tempos sérios aqui e os ventos contrários são ferozes. Precisamos executar perfeitamente em um ambiente de crescimento mais lento, onde as equipes não devem esperar grandes influxos de novos engenheiros e orçamentos", escreveu Cox.

A Meta não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O memorando é a previsão aproximada mais recente dos executivos da Meta, que já decidiram cortar custos e interromper as contratações em grande parte da empresa este ano diante da desaceleração das vendas de anúncios e do crescimento de usuários.

A maior empresa de mídia social do mundo perdeu cerca de metade de seu valor de mercado este ano, depois que a Meta informou que houve um declínio trimestral pela primeira vez nos usuários ativos diários em seu principal aplicativo Facebook.

Em seu memorando, Cox disse que a Meta precisaria aumentar em cinco vezes o número de unidades de processamento gráfico (GPUs) em seus data centers até o final do ano para apoiar o impulso de "descoberta", que exige poder computacional extra para que a inteligência artificial sugira postagens do Facebook e Instagram nos feeds dos usuários.

O interesse no Reels, produto de vídeo curto estilo TikTok da Meta, estava crescendo rapidamente, disse Cox, com os usuários dobrando a quantidade de tempo que passavam no Reels ano após ano, tanto nos Estados Unidos quanto no mundo.

Cerca de 80% do crescimento desde março veio do Facebook, acrescentou.

Cox disse que a Meta também viu possibilidades de crescimento de receita em mensagens de negócios e ferramentas de compras no aplicativo, o último dos quais, acrescentou, poderia "mitigar a perda de sinal" criada pelas mudanças de privacidade lideradas pela Apple.

Ele disse que a divisão de hardware da empresa estava focada no lançamento bem-sucedido de seu óculos de realidade mista, com o codinome "Cambria", no segundo semestre do ano. A Meta também estava trabalhando para vincular contas em seus produtos de realidade virtual e aplicativos tradicionais de mídia social, disse.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447500))

REUTERS BC PAL

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade